ad

O Juízo da 1.ª Vara Cível da Comarca de Guaíra/PR condenou o espólio de um ex-vereador, falecido em 2010, a ressarcir os cofres do Município de Guaíra em R$ 9,5 mil, devido ao recebimento ilegal de diárias de viagens.

A decisão foi proferida a partir de ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público na Comarca. Investigação da 1.ª Promotoria de Justiça apontou que, entre os anos de 1998 e 2000, o então parlamentar simulou diversas viagens no intuito de receber indenização de diárias, como forma de complementar sua remuneração, o que é irregular. A Promotoria de Justiça sustenta, na ação inicial, que o então vereador não comprovou a veracidade e finalidade pública das viagens, o que gerou um desfalque aos cofres públicos no valor de R$ 9,5 mil. Esse montante ainda deve ser corrigido, para fins de devolução ao erário.

No total, foram mais de quarenta ações civis públicas ajuizadas no ano de 2013 sobre o assunto pela 1.ª Promotoria de Justiça da Comarca de Guaíra contra ex-vereadores, servidores, ex-servidores da Câmara Municipal e um ex-prefeito, em razão de fatos ocorridos entre os anos de 1998 a 2012. Cálculo da Promotoria de Justiça aponta que o montante utilizado indevidamente a título de diárias pode chegar a cerca de R$ 1 milhão. Há casos em que não se comprova a realização da viagem, bem como falta a devida caracterização de interesse público nos deslocamentos.

A 1.ª Promotoria de Justiça apontou violação aos princípios constitucionais da legalidade e da publicidade, o que torna ilícito o ato de recebimento de diárias, sem posterior prestação de contas. A Promotoria de Justiça aponta que no município de Guaíra existe problema histórico de abuso na concessão e pagamento de diárias a servidores públicos municipais, vereadores e prefeitos, o que ensejou a propositura das várias ações.

Na decisão referente ao espólio do ex-vereador, o juiz Christian Leandro Pires de Camargo Oliveira destaca que, após analisar criteriosamente o assunto, desde o primeiro ajuizamento de uma ação civil pública destinada à apuração da questão do recebimento de diárias no Município, é possível concluir que “sempre esteve e ainda está ao alcance daqueles que foram ou são agentes políticos nesta Urbe” a comprovação documental referente ao deslocamento que deu origem ao recebimento da verba indenizatória.

Portal Guaíra com informações do Ministério Público do Paraná


CLINICA SALUTAR