Pedestres são a parte mais frágil na sempre difícil relação no trânsito (foto: Jornal do Oeste)

ad

Os pedestres serão o foco das atividades da Semana Nacional de Trânsito 2014, que começa nesta quinta-feira (18) e vai até o dia próximo dia 25, em todo país. No Paraná, o Departamento de Trânsito do Estado (Detran) estima que cerca de 4 mil pessoas são atropeladas por ano. Nos últimos 10 anos, de 2003 a 2013, foram mais de 3 mil pedestres mortos e 45 mil feridos.

“Na última década, o Paraná registrou cerca de 50 mil atropelamentos. O número é alto e reforça a necessidade de uma mudança geral de atitude, tanto dos pedestres, como dos motoristas. Precisamos falar não só do respeito à faixa, mas do uso do celular e do fone de ouvido, do cuidado com o idoso que precisa de mais tempo para atravessar a rua e da atenção aos locais sem visibilidade”, explica o diretor-geral do Detran Paraná, Marcos Traad.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Os pedestres são os entes mais frágeis e vulneráveis no trânsito, devem ser cuidados pelos demais motoristas, mas são também responsáveis por sua própria segurança. O tema da Semana vale então para todos, pois em algum momento do dia, mesmo quem se desloca de carro ou moto na maior parte do tempo, é pedestre”, lembra Traad.

NÚMEROS

Ao longo dos últimos dez anos, o registro de atropelamentos apresentou leve queda no Estado. Em 2003, foram 4.988 ocorrências. Número que caiu para 4.967, 4.839 e 4.326 nos anos seguintes. Depois, aumentou novamente entre 2007, 2008 e 2009. Só em 2010 voltou a cair (4.417 ocorrências), tendência que foi mantida nos últimos três anos: 4.286 em 2011, 4.002 em 2012 e 3.831 em 2013.

No último ano, na comparação com o ano anterior, houve redução também no número de vítimas fatais em atropelamentos – de 341 para 337 – e de vítimas não fatais – de 4.047 para 3.950. Ainda assim, os pedestres representaram 7% do total de 58.220 vítimas de acidentes de trânsito registrados no Paraná.

PERFIL

De acordo com o Anuário Estatístico de Trânsito divulgado pelo Detran em 2013, com dados da Policia Militar, Secretarias Municipais de Trânsito, Policia Rodoviária Federal e Estadual, a grande maioria dos atropelamentos acontece em vias municipais. Cerca de 57% dos acidentes deste tipo foram em cidades do interior do Estado e 21% na Capital. As rodovias federais registraram 15% do total de ocorrências e as estaduais 7%.

Apesar da menor incidência, os acidentes nas estradas concentram o maior número de vítimas fatais, com morte no local. Dos 337 pedestres mortos, mais de 49% estava em uma rodovia federal. Nas rodovias estaduais foram 74 mortes (22%), 79 nas vias municipais do interior (24%) e outras 18 nas ruas de Curitiba (5%).

IDADE

Os pedestres com 30 a 59 anos são os que mais se envolvem em acidentes. No ano passado, foram 1.206 feridos e 117 mortos com esta faixa etária. Os idosos, com mais de 60 anos, aparecem em seguida: 837 feridos e 93 mortos. Os jovens, com 18 até 29 anos, superam as crianças e aparecem no terceiro lugar entre as maiores vítimas de atropelamentos, 582 foram feridos e 50 morreram. Os atropelamentos também fizeram 487 vítimas não fatais com menos de 10 anos e foram a causa de 13 mortes de crianças com até 12 anos.

ATIVIDADES

Em razão da Lei Eleitoral, o Departamento de Trânsito do Paraná não vai realizar entrega de materiais educativos, mas atuará em parceria com prefeituras e ONGs em ações de orientação de pedestres e motoristas. Estão programadas ações em Telêmaco Borba, Maringá, Curitiba, Santa Helena, Campo Mourão, São José dos Pinhais, entre outros.

TEMA

O mote da Semana Nacional de Trânsito 2014, “Cidade para as pessoas: Proteção e Prioridade ao Pedestre”, foi definido pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) e faz parte do compromisso assumido para a Década Mundial para Segurança do Trânsito, organizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 178 países.

Pedestres são a parte mais frágil na sempre difícil relação no trânsito (foto: Jornal do Oeste)
Pedestres são a parte mais frágil na sempre difícil relação no trânsito (foto: Jornal do Oeste)

Fonte: Jornal do Oeste