A reunião de terça-feira (08) do Centro de Operações Emergenciais (COE) apresentou um dado alarmante: de acordo com a matriz de risco criada pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Toledo entrou no Alerta Roxo, o que representa perigo muito alto de contaminação pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2), causador da Covid-19.

O médico infectologista e integrante do COE, José Eduardo Panini, explica que “o Alerta Roxo é o mais alto e requer restrição máxima por parte de todos até que se normalize e a situação melhore. Portanto, não saia de casa se não for absolutamente necessário”, adverte.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Para entender

Todos os parâmetros avaliados sofreram piora em relação às semanas anteriores, totalizando 31 pontos na matriz de risco numa escala que vai de 0 a 40 – desde o início da pandemia, esta pontuação nunca foi tão alta assim, o que coloca em sério risco de colapso o sistema público de saúde instalado no município.

“Não adianta correr para outras cidades, pois, infelizmente, o Estado do Paraná chegou num nível crítico e todas as regionais estão enfrentando problemas com as altas taxas de ocupação de leitos”, acrescenta Panini.

A informação mais preocupante diz respeito ao índice médio de ocupação dos leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) do Sistema Único de Saúde (SUS), que na semana epidemiológica 49 (29/11 a 05/12) foi de 78,57%, conferindo a Toledo 9 pontos na matriz de risco. Outros 8 pontos advêm do aumento de 300% no número de óbitos por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) nos últimos 14 dias.

Neste período houve aumento de 200% no número de casos, o que fez Toledo somar mais 4 pontos – esta também foi a pontuação em relação à taxa média de ocupação de leitos de enfermaria adulto por SRAG (56,12%). Em dois parâmetros o município está com três pontos em cada: previsão de esgotamento de leitos de UTI (7 a 21 dias) e taxa de positividade (44,95% do total de exames RT-PCR coletados).

Para se ter uma ideia da gravidade da situação hospitalar, nesta terça-feira (08) dos 24 leitos de UTI em Toledo, 22 estavam ocupados (91,67%). Segundo a coordenação do Pronto Atendimento Municipal (PAM), até o momento da apuração, nove pacientes estavam clicados na Central de Leitos e aguardando uma transferência para a rede hospitalar.

Mais do que nunca!

O médico integrante da comissão técnica do COE, Fernando Pedrotti, vê com preocupação estes números e faz um alerta à população. “É fundamental que todos nós compreendamos que tem um vírus que pode matar circulando em nosso município. Cada cidadão tem que ser responsável em suas atitudes tanto em casa quanto fora”, adverte.

“Aquilo que sempre falamos continua valendo: manter distanciamento social, ficando 2 metros afastado do indivíduo mais próximo; evitar aglomerações, não entrando em ambientes fechados com grande número de pessoas; usar máscara do jeito certo, cobrindo totalmente boca e nariz; e higienizar as mãos várias vezes ao dia, lavando com água e sabão ou, caso isso não seja possível, passar álcool em gel 70% nelas”, aconselha.

As autoridades reforçam que a pandemia não acabou e que estamos vivenciando os piores cenários desde o seu início. Diferente de meses atrás, agora todos já sabem quais são os cuidados que devem ser tomados, cabendo a cada cidadão fazer a sua parte.

Decreto Estadual

A legislação vigente no momento é o Decreto Estadual 6284/20, que institui, de 2 a 17 de dezembro, no período das 23h às 5h, diariamente, proibição provisória de circulação e aglomeração em espaços e vias públicas, salvo em casos de deslocamento de ou para o trabalho ou no exercício de atividades essenciais.

O Decreto 6294/2020, editado na última quinta-feira (03), estabelece, entre outras regras, a proibição de confraternizações e eventos presenciais que causem aglomerações com grupos de mais de 10 pessoas, excluídas da contagem crianças de até 14 anos. A exceção são ações sem contato físico, incluindo o modelo drive in. O documento é válido por 15 dias, prazo que pode ser prorrogado.

O texto assinado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior prevê também a proibição da comercialização e do consumo em vias e espaços públicos de bebidas alcoólicas das 23h às 5h. A fiscalização quanto ao cumprimento dos três decretos estaduais está a cargo da Polícia Militar do Paraná, que poderá requisitar auxílio do município.

Portal Guaíra com Assessoria