Os corpos de mãe e filha de 9 anos que foram encontrados enterrados nesta terça-feira (2) no quintal de casa estão sendo velados na quarta-feira (3) no Cemitério de Pompeia, interior de São Paulo.

Segundo a família, o sepultamento de Cristiane Pedroso dos Santos Arena, de 34 anos, e da filha Karoline Vitória dos Santos Guimarães, será realizado a partir das 14h após uma breve cerimônia de velório em campo aberto, com caixões lacrados.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

As duas estavam desaparecidas desde o fim de novembro do ano passado. Nesta terça-feira (2), elas foram achadas mortas no quintal da casa da família no distrito de Paulópolis, sob um contrapiso de concreto.

O principal suspeito do crime, de acordo com a Polícia Civil, é o marido de Cristiane e padrasto da criança.

Fabrício Buim Arena Belinato, de 36 anos, chegou a prestar esclarecimentos na delegacia quando as vítimas ainda estavam desaparecidas, mas não foi mais localizado desde que os corpos foram encontrados.

De acordo com o delegado Cláudio Anunciato Filho, a polícia ainda aguarda laudos para pedir a prisão preventiva do suspeito, que está desaparecido desde que os corpos foram encontrados. A filha da vítima de 16 anos foi apreendida na terça-feira suspeita de participar do crime.

O delegado informou que ela indicou à polícia o local exato onde estava enterrado o corpo da irmã. Além disso, a polícia diz ter provas de que o homem tinha um envolvimento amoroso com a adolescente, apesar de não detalhar os elementos que comprovam a existência dessa relação.

“Ela [adolescente] não admite a participação, mas teve um momento logo após ser apreendida que revelou aos policiais, que estavam com dificuldade de encontrar o corpo da criança, que ele estaria perto de uma árvore e de uma piscina de plástico, onde realmente estava”, disse o delegado.

Denúncia de cárcere privado
Ainda de acordo com o delegado, a Polícia Civil chegou à casa onde os corpos estavam enterrados após receber denúncia de cárcere privado.

A informação era de que a adolescente teria sofrido abuso sexual por parte do padrasto. Policiais encontraram apenas o homem e a adolescente em casa, e os levaram para prestar esclarecimentos.

“A garota disse que a mãe foi embora com a filha menor após conhecer um novo namorado, mas os depoimentos eram contraditórios e fomos investigar”, explicou o delegado, que não detalhou o que a garota informou sobre a denúncia de cárcere privado.

Ao investigar o desaparecimento, a polícia também descobriu que o suspeito estava movimentando a conta da mulher, que havia sido demitida recentemente e recebido um valor de rescisão.

Portal Guaíra com informações do G1