Nariz de caveira, língua bifurcada e dentes de vampiro. Com 99% do corpo desenhado, o homem que já ganhou o título de mais tatuado do Brasil em 2014 recentemente também virou adepto de outras transformações: as modificações corporais extremas.

No Dia do Tatuador, comemorado no dia 20 de julho, “Caveira” diz ter orgulho da profissão que escolheu. Fernando Franco de Oliveira é dono de um estúdio de tatuagem em Tatuí, no interior de São Paulo, e se diz “viciado” na dor das agulhas.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Tenho tudo tatuado, só falta a palma das mãos e a sola dos pés. Eu paguei pelas minhas tatuagens, mas se eu encano com algum desenho, eu mesmo retoco. Eu gosto muito da dor da agulha, eu sou viciado, aí de vez em quando sinto a necessidade de retocar porque não tenho mais espaço no corpo”, contou.

Viciado em transformações e sem espaço para novas expressões artísticas, Fernando passou a fazer modificações corporais. Segundo ele, uma das mudanças mais “pesadas” foi feita em março deste ano, quando o tatuador decidiu cortar o nariz.

“Eu tenho língua bifurcada, orelha de ‘orc’, dentes de vampiro e implantes de chifres na cabeça. E agora a última que eu fiz, para assustar de vez, foi o nariz. Mutilei para ficar com cara de caveira, com um cara que faz modificação corporal”, explicou.

Fernando disse que a mutilação no nariz permite que ele respire normalmente, mas teve que redobrar os cuidados para a cicatrização. Para as próximas transformações, Fernando ainda quer colocar mais implantes na cabeça e, talvez, mutilar mais as orelhas.

“Na realidade eu sempre gostei de ser diferente, eu nunca gostei de ser igual a sociedade, entendeu? O pobre, para ser diferente, precisa tatuar o corpo inteiro, não tem outra forma de aparecer”, disse o tatuador.

Homem mais tatuado do BrasilA primeira tatuagem do “Caveira” foi feita aos 14 anos: um tribal na perna, que já foi coberto com novas tatuagens.

Em 2014, Fernando já tinha o corpo todo tatuado e ganhou o título de homem mais tatuado do Brasil no RankBrasil.

“Até hoje o título é meu. Mais tatuado que eu só se a pessoa começar a tatuar por dentro, no fígado e tudo mais.”

Família e profissão
Apesar da aparência “incomum”, Fernando disse que leva uma vida normal no interior de São Paulo. Ele é casado há 25 anos com uma mulher que não tem nenhuma tatuagem, e o casal não tem filhos.

“Ela me respeita e eu respeito ela. Ela não gosta dessas coisas de reportagem, diferente de mim. Eu não posso ver uma câmera que pulo na frente”, brinca Fernando.

Antes de ser tatuador, o morador de Tatuí trabalhava como soldador, mas sofreu um acidente de trabalho e se aposentou. Segundo Fernando, ele machucou o ombro no serviço e as sequelas permitem que ele trabalhe apenas como PCD (Pessoas com Deficiência).

Desde então, ele passou a trabalhar como tatuador e montou um estúdio em Tatuí. Ele contou que o espaço ficou aberto nos primeiros meses da pandemia de coronavírus, mas foi fechado depois que o próprio “Caveira” contraiu a doença.

“Acho que peguei no estúdio porque a galera vem e tira a máscara. Qualquer tatuagem é oito horas em cima do cliente, então não tem como. Até então achei que era o ‘superman’, não pegava coronavírus”, conta o tatuador.

Segundo Fernando, a ideia é reabrir o estúdio no próximo mês, depois que ele tomar as duas doses da vacina contra a Covid-19. Apesar de não precisar ser hospitalizado, ele contou que sentiu bastante os sintomas do vírus.

“Eu peguei um trauma. Tive calafrio, dor de cabeça, coisa que eu nunca tive. Eu tenho uma saúde de ferro, é muito raro pegar gripe. Aí eu pensei ‘por que eu vou ficar me arriscando por dinheiro?’”, lembra.

Para o tatuador, as tatuagens e modificações corporais são apenas expressões artísticas, e não tem a ver com crenças e religiões. Ele disse ainda que não bebe, nem fuma ou usa drogas.

“A maioria pede para tirar foto quando me vê na rua, mas o resto fica falando que é o ‘satanás’. Mas a pessoa tem que ser julgada por dentro, não por fora, isso não tem nada a ver.”

Portal Guaíra com informações do G1