(Foto: Marcos Landim/RPC)

O pajé Gregório Venega, que vivia na aldeia do Ocoy, em São Miguel do Iguaçu, no oeste do Paraná, morreu vítima de Covid-19.

Ele estava internado no Hospital Municipal de Foz do Iguaçu, também na região oeste, desde o dia 7 de julho e morreu na sexta-feira (11), segundo a prefeitura.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Os indígenas da aldeia disseram que o pajé foi enterrado sem os rituais tradicionais da cultura avá-guarani por questões de segurança em relação ao coronavírus.

A aldeia foi interditada pela prefeitura e pelo Ministério Público Federal (MPF) no dia 20 de junho depois que 77 indígenas testaram positivo para a Covid-19. Atualmente, 170 famílias, de um total de 720 pessoas, vivem no local.

A morte do pajé foi a primeira por causa do coronavírus registrada na aldeia, ainda conforme a prefeitura. Do total de confirmados, 75 já estão curados e um permanece em isolamento.

Perda da história
As mortes de indígenas idosos por Covid-19 colocam em risco línguas e festas tradicionais que não podem ser resgatadas, segundo o antropólogo Aloisio Cabalzar. São mais de 300 povos no Brasil e 200 línguas faladas, muitas em preservação pelos mais velhos, segundo ele.

Ao menos 12.049 indígenas brasileiros foram infectados pelo novo coronavírus e 231 morreram por Covid-19 desde o início da pandemia, segundo números do Ministério da Saúde divulgados nesta sexta-feira (24).

Portal Guaíra com informações do G1