Decodificadores ilegais (foto: Reprodução)

ad

De cada cinco brasileiros que assiste a TV paga, um o faz de maneira clandestina. O chamado “Gatonet” é utilizado por 18,1% dos lares, totalizando 4,2 milhões de um universo de 23,2 milhões de domicílios com acesso aos canais por assinatura. Se fosse uma operadora, seria a terceira maior do Brasil.

As informações são de um estudo divulgado na quarta-feira (6), pela ABTA (Associação Brasileira de Televisão por Assinatura) e pelo Seta (Sindicato das Empresas Operadoras de TV por Assinatura e de Serviço de Acesso Condicionado) durante a Feira ABTA 2014, a principal do setor na América Latina.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O número de usuários dos “gatos” só fica atrás dos assinantes da Net (6,1 milhões) e da Sky (5,1 milhões) e contaria com  quatro vezes mais assinantes que a Oi (886 mil). A pesquisa motivou as operadoras a pedirem pela aprovação do projeto de lei  PLS 186/2013, do senador Blairo Maggi (PR-MT), que prevê dois anos de prisão para quem receber sinal de TV paga ilegalmente.

A pesquisa da ABTA ouviu 1.750 pessoas entre 17 e 22 de maio. Do total, 42% dos consumidores piratas estão nas regiões metropolitanas e 58% no interior do Brasil. A maioria dos usuários ilegais pertence às classes D e E. Logo atrás vem os da classe C, fatia da população que prevalece entre os assinantes da TV paga.

Segundo as operadoras, as perdas de receita causadas pela pirataria chegam a R$ 2 bilhões anuais.

Em reportagem de fevereiro, o Link mostrou como decodificadores piratas são anunciados na ruas do centro de São Paulo ou em sites de comércio eletrônico, ao alcance de qualquer um [leia a matéria aqui]. Os pequenos aparelhos, que destravam um número muito maior de canais de TV paga do que o previsto pelo plano contratado, custam cerca de R$ 300 pelo aparelho e R$ 30 pelo cartão. “Abre inclusive os HDs. Só não pega mais os de luta, mas compensa demais”, contou um cliente entrevistado pela reportagem do Estadão.

Decodificadores ilegais (foto: Reprodução)
Decodificadores ilegais (foto: Reprodução)

Fonte: Estadão