ad

A Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) prorrogou a campanha de vacinação contra a gripe até a próxima terça-feira, dia 30 de abril. A medida foi sugerida pela Comissão de Estadual de Infectologia em reunião realizada ontem, na capital, para que a meta de imunização de 80% dos grupos prioritários seja alcançada. Até segunda-feira, conforme a Sesa, 46% do público-alvo já tinha recebido a dose. A previsão inicial era de que a vacinação iria somente até sexta-feira, mas dois grupos ainda preocupam, pois apresentam baixo índice de imunização no Estado: os trabalhadores da saúde (28%) e as gestantes (38%).

vacina-gripeO Paraná recebeu 2,7 milhões de doses da vacina para cobrir uma população de 2,4 milhões, entre crianças de 6 meses a 2 anos, trabalhadores de saúde, indígenas, idosos, gestantes, pessoas privadas de liberdade, doentes crônicos e puérperas (mulheres que deram a luz no período de até 45 dias). “Solicitamos mais doses e recebemos. Pedimos que a campanha fosse adiantada e o Ministério da Saúde nos atendeu. Agora esperamos que a população vá até os postos de saúde para que garantam a imunização”, reforçou Sezifredo Paz, superintendente de Vigilância em Saúde da Sesa.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

A vacinação segue até terça-feira em todas as unidades de saúde, das 8 às 17 horas. A Sesa orientou as 22 regionais de saúde para que os municípios que tiverem baixa cobertura vacinal e grande circulação de pessoas também façam postos volantes durante a semana. Além disso, recomenda a todos os municípios que no próximo sábado mantenham as unidades de saúde abertas para vacinação.

“Contamos com o comparecimento da população para que haja tempo suficiente de garantir imunidade aos que mais precisam”, ressaltou o secretário da Saúde, Michele Caputo Neto.

Além do Paraná, Rio Grande do Sul (52,92%) e Santa Catarina (52,79%) apresentavam ontem as maiores coberturas do País. A média nacional estava em 33,12%. Em Londrina, a imunização chegou a 44,5% da população prioritária, sendo que a maior parte foram os indígenas, com 59,29%. Gestantes (27,89%) e puérperas (22,75%) ainda registravam o menor índice de vacinação. Em Curitiba, a cobertura vacinal estava em 36,92%. Na capital, 32,11% das gestantes tomaram as doses e 49,31% das puérperas, o grupo de maior imunização.

Fonte: FolhaWeb