A região de fronteira do Paraná com o Paraguai e Argentina receberá os investimentos da segunda fase do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron). Desenvolvido pelo Exército, o programa usa radares, sistemas de comunicação e veículos aéreos não tripulados para o monitoramento da fronteira.

O anúncio foi feito na terça-feira (16), pelo comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Boas, ao governador Beto Richa, em reunião realizada no Palácio Iguaçu, em Curitiba. O encontro teve a participação do comandante militar do Sul, general Antônio Mourão, e do comandante da 5ª Divisão do Exército, general Luiz Felipe Carbonell.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

PROGRAMA

A primeira fase do programa foi implantada em 2013 no Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, na fronteira terrestre com Paraguai e Bolívia. O sistema é baseado em uma rede de sensores colocados sobre a linha de fronteira, interligada a sistemas de comando e controle, que, por sua vez, estão interligados às unidades operacionais com capacidade de dar resposta, em tempo real, aos problemas detectados.

O programa, que terá investimento de R$ 11,9 bilhões em dez anos, irá fortalecer a atuação do Exército garantindo mais infraestrutura no controle e combate ao crime organizado e ao tráfico de drogas e armas na faixa de fronteira do Brasil.

Estão previstos R$ 5,9 bilhões em infraestrutura tecnológica, R$ 3 bilhões em infraestrutura de obras civis e R$ 3 bilhões para infraestrutura de apoio à atuação operacional em toda a fronteira terrestre nas regiões Norte, Centro Oeste e Sul.

Uma comitiva da Segurança Pública fará uma visita ao Mato Grosso do Sul para conhecer o projeto. O Paraná tem 19 municípios que fazem fronteira direta com o Paraguai e a Argentina, numa extensão territorial de 1,4 mil quilômetros, e outros 120 municípios na área de influência da fronteira.

sisfron

Portal Guaíra com informações da AEN