Um idoso de 65 anos foi preso preventivamente suspeito de estuprar a filha de 20 anos e mantê-la em situação análoga à escravidão no interior de Ipira , município com pouco mais de 4,3 mil habitantes no Oeste catarinense. Segundo a Polícia Civil, ele já havia sido alvo de outra investigação de abuso sexual em 2022.

Conforme a polícia, a vítima revelou o estupro durante uma avaliação psicológica. O crime teria acontecido em agosto do ano passado, dentro da casa da família. Uma irmã da jovem também mora na residência. Ela ainda não foi ouvida.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Delegado responsável pelo caso, Gilmar Bonamigo, verificou elementos que levam a crer que a vítima vivia em situação análoga à escravidão. Ela trabalhava no campo com o pai.

“[Foram verificados] trabalhos excessivos, pesados com a lida da roça e animais. Carga horária excessiva, acumulação de trabalhos domésticos. Liberdade restrita, agressões físicas e verbais”, relata o investigador.

O mandado de prisão foi expedido pelo Poder Judiciário da Comarca de Capinzal, após manifestação do Ministério Público, que concordou com o pedido da autoridade policial. O suspeito foi recolhido ao Presídio Regional de Joaçaba.

As investigações devem ser concluídas em 10 dias.

Inquérito anterior
De acordo com a Polícia Civil, um inquérito havia sido instaurado contra o homem em 2022 para investigar uma suspeita de abuso sexual contra a neta dele, de 5 anos, portadora de deficiência física e mental.

Na ocasião, o caso veio à tona por profissionais de uma associação onde a menina frequentava. Por falta de comunicação da vítima, a investigação foi arquivada. Ao g1 SC, nesta sexta-feira, a Polícia Civil informou que o inquérito não deve ser retomado.

Portal Guaíra com informações do G1