A Secretaria de Meio Ambiente de Santa Helena, no oeste do Paraná, emitiu um alerta, nesta sexta-feira (20), sobre uma substância não identificada que foi encontrada no Lago de Itaipu.

Banhistas e pescadores devem evitar contato com a água e areia do lago para prevenir possíveis contaminações, segundo o município.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

De acordo com a prefeitura, a substância foi coletada na segunda-feira (16) e está sendo analisada pelos laboratórios do Instituto Água e Terra (IAT) e da Itaipu Binacional.

A previsão é de que o laudo da análise seja concluído até quarta-feira (25), segundo a secretaria.

Na tarde de quinta-feira (19), a Marinha, a Itaipu Binacional, a Polícia Ambiental e a Defesa Civil patrulharam o Lago de Itaipu e recolheram novas amostras para análises.

Conforme o município, a prainha está fechada para obras, mas alguns moradores acabam entrando no lago, mesmo com placas indicando os riscos até que as análises esclareçam do que se trata a substância.

A diretora de Meio Ambiente de Santa Helena, Larissa Bussler, destacou que o cuidado é necessário até que a origem do produto seja identificada, pois não se sabe se a substância é tóxica.

Alguns peixes foram encontrados mortos no lago nos últimos dias, conforme a diretora. Entretanto, no momento, não é possível afirmar a relação da substância encontrada com a morte dos animais.

“Peixes exóticos foram encontrados mortos, mas isso pode ter sido porque esfriou muito e depois houve um reaquecimento rápido das águas, então, nesse época, é comum a morte desse tipo de peixe com choque térmico. Não descartamos a relação com a substância, mas antes dos laudos das análises não é possível saber com certeza o que causou a morte deles”, disse.

A secretaria de Meio Ambiente informou que o produto encontrado chamou a atenção de ambientalistas. A hipótese inicial apontava para algum tipo de óleo, mas a suspeita foi descartada.

Conforme o município, as autoridades ambientais aguardam a chegada dos laudos para saber o que está poluindo as águas e, na sequência, adotar os procedimentos adequados para controlar a situação.

Segundo a diretora, a partir de setembro devem começar as análises de balneabilidade do Lago de Itaipu, para a temporada de verão na prainha, que está prevista para novembro.

Portal Guaíra com informações do G1