A mãe e o padrasto de uma criança de 3 anos que chegou morta a uma Unidade Básica de Saúde (UBS) em Alvorada, foram presos por tortura com resultado morte, no sábado (11).

O caso aconteceu em 31 de maio na cidade da Região Metropolitana de Porto Alegre. Segundo a polícia, os médicos que atenderam a menina confirmaram que ela já chegou morta à UBS, com vários hematomas. Na ocasião, mãe e padrasto alegaram que as lesões eram de quedas em brincadeiras da criança.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

A mãe, de 24 anos, foi presa preventivamente no bairro Guajuviras, em Canoas. Já o homem, de 27, foi encontrado em Palhoça (SC), para onde foi logo após o crime, segundo as investigações.

De acordo com a delegada Jeiselaure Rocha de Souza, os exames realizados na menina mostraram múltiplas lesões e fraturas, antigas e atuais, marcas de queimadura, e uma severa hemorragia abdominal.

“Durante a investigação, em que foram ouvidas várias testemunhas e analisados vários prontuários médicos da criança, constatou-se que ela estava sempre com medo, chorando ou machucada. Pelo relato das testemunhas, que inclusive viram a vítima e em diversas oportunidades hematomas e lesões, com medo do padrasto e não querendo retornar pra a casa com a mãe. A vítima teve várias entradas em unidades de saúde por múltiplas fraturas, escabiose e até mesmo sofrido queimaduras que sequer foram adequadamente tratadas pela mãe da infante”, diz a polícia.

A polícia ainda destaca que a criança foi submetida a violência, ameaça, agressão física, privações, negligência e intenso sofrimento físico e mental, ao longo de mais de dois anos de relacionamento do casal.

Portal Guaíra com informações do G1