ad
Edio Robert dos Santos, 26 anos, foi detido em um parreiral na localidade de Capela São Roque
Edio Robert dos Santos, 26 anos, foi detido em um parreiral na localidade de Capela São Roque

A Brigada Militar (BM) prendeu na noite deste domingo um suspeito de ter participado do assalto à fábrica de joias Guindani, em Cotiporã, na madrugada de 30 de dezembro. Ele foi detido em um parreiral na localidade de Capela São Roque, interior da cidade serrana no Rio Grande do Sul.

A BM chegou ao suspeito graças a informações de moradores da região, que desconfiaram do homem ferido e avisaram a corporação. Uma das suspeitas é de que ele estaria observando a movimentação de residências com o objetivo de roubar um carro para tentar fugir. Edio Robert dos Santos, 26 anos, não reagiu à prisão.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Conforme o delegado Paulo Roberto Rosa da Silva, titular da Delegacia Regional de Polícia de Caxias do Sul, Santos foi autuado em flagrante — porque era perseguido desde o dia do crime — e vai responder por roubo qualificado, formação de quadrilha e tentativa de homicídio (aos policiais). Ele foi encaminhado para o presídio de Nova Prata.

O capitão Álvaro Martinelli, integrante do 3º Batalhão de Operações Especiais (BOE) da BM, disse que, ao ser detido, Santos admitiu informalmente ter participado do assalto.

O delegado destaca que as roupas vestidas pelo suspeito coincidem com o registro das câmeras de segurança da fábrica assaltada. Todo de preto, ele calçava coturnos, vestia jaqueta de náilon e uma calça com bolsos tipo cargo.

Além disso, Silva trabalhava como vigilante em uma empresa de Caxias do Sul e tem experiência com o manuseio de armas. Natural do Paraná, ele contou no depoimento que morava em Rondônia antes de se mudar para Farroupilha, onde dividia uma casa com o irmão.

Entenda o caso

O assalto à fábrica de joias levou terror a moradores de Cotiporã há pouco mais de uma semana. Os bandidos explodiram o estabelecimento e fizeram nove pessoas reféns. Durante a fuga, três deles morreram em confronto com a Brigada Militar (entre eles Falcão, o foragido número 1 do Estado).

Dois PMs ficaram feridos na troca de tiros, e cinco integrantes da quadrilha escaparam. No dia 2, quatro dos assaltantes fizeram mais uma família refém, desta vez em Bento Gonçalves, e escaparam, furando o bloqueio da Brigada Militar.

A polícia suspeitava que um oitavo integrante da quadrilha tivesse permanecido na mata, ferido.

Fonte: Zero Hora