Tomaz Silva/Agência Brasil
ad

O delegado Giniton Lages, chefe da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro, disse ontem (12) que a Polícia Civil vai investigar a possível existência de um terceiro envolvido no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes, há quase um ano. Segundo ele, um homem estava no banco do motorista e outro sentado atrás e não há, por enquanto, informações sobre um terceiro integrante, o que será apurado durante a segunda fase da investigação.

“Estamos caminhando para a confirmação de um motorista e um passageiro no banco de trás do automóvel”, afirmou. “O fato é que os dois estão presos. Se o terceiro está no banco do carona ou não, a segunda fase cuidará dele.”

De acordo com o delegado, Ronnie Lessa, sargento reformado da Polícia Militar, chegou a usar informações sobre Marielle que constavam apenas em um portal de acesso restrito a agentes de segurança. Além de ser policial reformado, ele atuou na Polícia Civil e foi treinado no Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Testemunhas do crime disseram à polícia que o atirador usava uma touca ninja no momento dos disparos, o que dificultou a investigação, uma vez que não seria possível o reconhecimento ou a identificação dele em câmeras. Por enquanto, a polícia trabalha com dois suspeitos envolvidos diretamente no crime.

Os policiais também investigaram se Ronnie Lessa sofreu uma tentativa de queima de arquivo no mês seguinte ao crime. O policial reformado foi baleado, mas a Polícia Civil trabalha com a hipótese de tentativa de roubo.

Durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão, a polícia localizou um paiol em um dos endereços, com grande quantidade de fuzis novos. As armas devem ser apresentadas pelos agentes ainda hoje.

Portal Guaíra com informações da Agência Brasil


CLINICA SALUTAR