Uma jovem de 24 anos foi ao Hospital da Mulher de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, e teve a mão amputada. O caso ocorreu em outubro de 2022, mas somente agora ganhou repercussão na mídia.

O bebê nasceu de parto normal e estava saudável pesando pouco mais de 3kg. A jovem sofreu uma hemorragia e precisou receber medicamento por acesso venoso no braço esquerdo.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Durante o procedimento, a mulher sentiu dores no local e pouco tempo depois, a mão esquerda ficou roxa e inchada.

A jovem contratou uma advogada, que entrou com uma ação na Justiça contra a unidade de saúde e diz que acredita que houve uma sequência de erros dos médicos”.

“Eles colocaram um balão de Bakri, que fica dentro do colo do útero da mulher, para tentar conter a a hemorragia. Eles se preocuparam com a hemorragia e não se preocuparam com o acesso venoso, que acabou saindo da veia e necrosando a mão dela, o que fez ela perder o membro e quatro dedos acima do do punho”, contou a advogada Monalisa Gagno.

O Hospital da Mulher Intermédica de Jacarepaguá emitiu uma nota declarando que: “está totalmente solidário com a vítima, e lamenta profundamente o ocorrido. Reitera o empenho em apurar com toda seriedade, transparência e atenção os procedimentos médicos e hospitalares adotados durante seu atendimento. Para tanto, solicitou ao Comitê de Ética Médico a coordenação desses trabalhos. Independente de tal apuração, o hospital vem mantendo contato com a paciente e seus representantes para prestar todo acolhimento possível e atender suas necessidades, assim como se mantém à disposição para que todos os esclarecimentos necessários sejam realizados.”

A Polícia Civil está investigando o caso, que foi registrado como lesão corporal culposa.

Portal Guaíra com informações do Jornal O Dia