Casal é morto a tiros em Foz do Iguaçu — Foto: Marcos Landim/RPC

ad

A Polícia Civil suspeita que a morte da professora aposentada Ana Borkowski, de 60 anos, pode ter sido motivada por uma dívida do filho Francisco Arsênio Borkowski, de 34 anos, com o tráfico de drogas.

Os dois foram mortos a tiros, e os corpos foram encontrados em uma área rural de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, na quinta-feira (5).

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Segundo a família das vítimas, o filho da professora era dependente químico. Até a publicação desta reportagem, nenhum suspeito tinha sido identificado.

A vítima Ana Borkowski era servidora aposentada da Prefeitura de Foz do Iguaçu desde de 2018. Ela foi professora, diretora escolar e secretária de assistência social da cidade.

Duplo homicídio
De acordo com a Polícia Civil, os dois foram encontrados perto de uma plantação de eucalipto. Eles estavam sujos de lama e, segundo a perícia, isso indica que eles podem ter sido assassinados na noite de quarta-feira (4), antes da chuva.

Conforme a Guarda Municipal, um carro foi localizado queimado a cerca de 500 metros de onde estavam os corpos.

A polícia ainda não informou se o veículo tem ligação com as mortes.

No Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp), não há registro de furto ou roubo do carro encontrado.

Segundo a Polícia Civil, os peritos estiveram no local, e colheram pistas que podem levar ao suspeito do duplo homicídio.

Conforme o guarda que encontrou os corpos, o bairro onde eles foram localizados é novo. O lugar não tem asfalto, nem moradores próximos. O guarda estava na região para outra ocorrência.

Casos de homicídio
De domingo (1º) até quinta-feira (5), foram registrados seis homicídios em Foz do Iguaçu. Desde janeiro, o número de homicídios chega a 65. No mesmo período de 2018, foram 78 casos.

Dos seis assassinatos desta semana, duas pessoas foram presas suspeitas de envolvimento no homicídio de um morador de rua.

Portal Guaíra com informações do G1