Um método alternativo de ressocialização de presos foi implantado em Toledo, na Região Oeste, com o início das atividades da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) no município. Baseado na valorização humana, a iniciativa é resultado de uma parceria entre a Associação, a Secretaria da Segurança Pública (Sesp) e o Departamento de Polícia Penal do Paraná (Deppen).

A Apac é uma entidade civil, sem fins lucrativos, que se dedica à recuperação e reintegração social dos detentos. Com participação ativa da comunidade, a unidade oferece alojamento, estudo, espaço para canteiro de trabalho e qualificação profissional. A estrutura possui uma área total de 1.500 metros quadrados e capacidade para atender até 82 presos.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Hoje o maior problema no sistema prisional tradicional é a ociosidade do preso. Nas Apacs foi planejado para que houvesse atividade durante todo o dia, como cursos profissionalizantes de panificação e confeitaria. Com isso, observamos um índice de reincidência que gira em torno de 7%, um número realmente baixo comparado ao sistema tradicional”, diz o servidor do Deppen e coordenador das Apacs no Paraná, Alcione Prá.

O coordenador explica ainda que o voluntariado e a família são partes importantes do processo de recuperação. “Existe uma gama muito grande de pessoas da comunidade que vêm prestar serviços gratuitos, e os familiares também se fazem presentes, então os condenados se sentem acolhidos pela comunidade”, afirma.

Segundo a Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados (FBAC), há 141 unidades de Apacs no Brasil. Sua metodologia é composta por 12 elementos, entre eles a participação da comunidade, ajuda mútua entre recuperandos, trabalho, religião, valorização humana e família.

A primeira unidade da Apac no Paraná foi implantada na comarca de Barracão (Sudoeste), em 2012. Em seguida foram criadas as unidades de Pato Branco, Ivaiporã (Vale do Ivaí) e, por último, Toledo. Todas as associações contam com a parceria e supervisão do Governo do Estado e do Tribunal de Justiça do Paraná.

Portal Guaíra com informações da AEN