ad

Israel da Silva Rodrigues Barbosa, de 24 anos, foi condenado em júri popular a 25 anos e oito meses de prisão por feminicídio. O crime foi cometido no dia 14 de janeiro, em Cascavel.

O homicídio foi tratado inicialmente como suicídio. Aos socorristas o homem disse que ao chegar em casa encontrou a companheira, Solange Fátima de Andrade, de 29 anos, já morta depois de ela ter tomado vários comprimidos.

Os socorristas desconfiaram da versão contada pelo marido porque no corpo de Solange havia algumas lesões, principalmente no rosto, e denunciaram à polícia.

Um exame indicou que ela morreu em consequência de uma hemorragia interna provocada por agressões.

Testemunhas ouvidas pela polícia disseram que o casal havia discutido um dia antes do crime.

Israel Rodrigues Barbosa, de 24 anos, foi preso em flagrante quando foi até o Instituto Médico-Legal (IML) para liberar o corpo da mulher.

Na época, o marido negou o crime e disse que eles haviam discutido e a mulher caído e batido o rosto em um móvel.

Solange tinha cinco filhos, o mais novo com um ano e meio e o mais velho com 14. Nenhum deles é filho do então marido.

Histórico de violência
Israel já havia sido condenado a quase dez anos de prisão por outro homicídio. Segundo a polícia, ele cumpriu um ano e dez meses da pena em regime fechado e em 2018 passou a cumprir o restante da pena no regime semiaberto harmonizado.

Familiares disseram que, apesar do pouco tempo de relacionamento, os dois tinham um histórico de agressões – com algumas registradas em boletim de ocorrência – e que ela chegou a passar um tempo em um abrigo para mulheres, além de também ter uma medida protetiva contra ele.

Portal Guaíra com informações do G1


CLINICA SALUTAR