Foto: Bruno Alex

[dropcap color=”#dd3333″]U[/dropcap]ma mulher de 22 anos de nacionalidade paraguaia foi presa em flagrante por policiais militares de Perobal na terça-feira (16). Ela foi acusada de ter abandonado duas filhas, uma de 1 ano e 4 meses e outra de 6 anos. Conselheiras tutelares revelaram que as meninas estavam bebendo água em cochos de animais e estavam sem alimentação.

Por volta das 15h as conselheiras receberam as denúncias, que informaram a situação humilhante em que se encontravam as crianças. “Quando recebemos a informação, imediatamente fomos ao endereço e encontramos as meninas sozinhas, brincando em uma caixa d’água. Vizinhos disseram que elas estavam bebendo água em bacias deixadas para os cachorros”, revelou uma das conselheiras.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Na casa em que as crianças moravam não há energia elétrica ou saneamento básico. O imóvel foi construído onde há alguns anos funcionava um lixão. “Quando vimos as meninas, as encontramos sujas e maltrapilhas. Segundo os denunciantes, elas são deixadas quase que diariamente sozinhas no local enquanto a mãe fica na rua. A mulher não trabalha e não carrega documentos pessoais”, informou a conselheira.

As meninas foram recolhidas e levadas até a delegacia de Perobal onde foi registrado um boletim de ocorrência. Posteriormente a mãe passou a ser procurada. Ela, por sua vez, já havia procurado o Conselho Tutelar ao saber do recolhimento das meninas. A Polícia Militar foi acionada e a mãe foi presa.

As crianças serão encaminhadas para um abrigo em Umuarama e a mulher permaneceu recolhida no setor carcerário da Delegacia de Polícia. Ela pode ser indiciada por abandono, cuja pena vai até 4 anos de detenção.

“O crime é afiançável, mas acredito que ela não tenha condições de pagar para sair da cadeia e permanecerá recolhida à disposição da Justiça. Por outro lado, as conselheiras já estão fazendo um comunicado ao juizado da Vara da Infância e Juventude para dar uma destinação às crianças”, comentou o delegado Osnildo Carneiro Lemes.

Portal Guaíra com informações do OBemdito