Um morador da Rua Vale das Flores, na Vila Alta, abordou ontem (21) uma viatura da Polícia Militar que realizava patrulhamento pelo bairro, para comunicar que sua mulher tinha sofrido uma tentativa de estupro.

Segundo o homem, sua esposa estava em casa com seus cinco filhos de 13, 10, 8, 7 e 3 anos de idade, quando um rapaz de cor branca, cabelo raspado, usando uma camisa vermelha com listras brancas e com parte do rosto coberto invadiu a residência e agarrou sua mulher braço.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O agressor mandou as crianças irem para o quarto, momento em que a mulher reconheceu o rapaz, chamando-o pelo nome, mas ele negou ser tal pessoa e disse que não morava em Guaíra.

A mulher então perguntou se ele queria dinheiro, mas o rapaz respondeu que não, e sim o corpo da vítima.
Ao perceber a intenção do agressor, a mulher começou a gritar por socorro.

Na sequência, ela conseguiu escapar do rapaz que a segurava pela blusa e correu para pedir ajuda aos vizinhos.

O filho de 13 anos da vítima, na tentativa de defender a mãe, acertou uma paulada nas costas do agressor, que empreendeu fuga pelos fundos da residência.

Em conversa com a vítima, a PM constatou que a mulher possuía hematomas e arranhões no braço direito.
A mulher foi orientada a realizar um laudo de lesões corporais na Delegacia da Polícia Civil de Guaíra.
Como a vítima conseguiu identificar o agressor, informando tratar-se de um jovem de iniciais A.S.L. de 21 anos de idade, a polícia iniciou buscas.

Na tarde de ontem, durante patrulhamento, a PM com apoio de terceiros, recebeu a informação que o agressor havia acabado de chegar em casa.

Durante abordagem o acusado não ofereceu resistência e recebeu voz de prisão, sendo encaminhado para delegacia de Guaíra para tomada de providências.

Na presença do superintendente e do investigador da Polícia Civil, a vítima de posse do laudo de lesão corporal reconheceu o jovem como sendo o autor das agressões que ela sofreu e da tentativa de estupro.

O rapaz está detido no cadeião de Guaíra, a disposição da Justiça.

Fonte: Educadora