ad

Uma quadrilha que lucrava quase R$ 1 milhão por mês no tráfico de aproximadamente 50 quilos de cocaína e crack foi desmanchada pela Polícia Civil durante esta última semana e os 15 presos foram apresentados na tarde desta quinta-feira (13), em Curitiba.

Além das pessoas presas, a operação resultou na apreensão de 26 veículos utilizados pela quadrilha, 12,7 kg de cocaína, 12,9 kg de crack, seis balanças de precisão, duas pistolas, coletes balísticos e R$ 48.597,00.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

De acordo com a delegada da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), Camila Cecconello, o líder, Márcio José Fogaça, 36 anos, morava em uma cobertura de luxo de Florianópolis, no litoral de Santa Catarina, e gerenciava a venda de lá. “O desmanche da quadrilha começou com a prisão dele, que era investigado há anos por manter ligação com outro traficante preso Polícia Federal em 2009.

Durante a investigação, a Denarc investigou o esquema criminoso desenvolvido por ele, tendo percebido que o suspeito não residia mais na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), tendo se mudado para Florianópolis, onde coordenava uma imensa rede de aquisição de drogas e de distribuição para diversos pontos da região de Curitiba”, explicou. Segundo a delegada, ele contava com uma equipe composta por diversos “gerentes”, que atuavam de forma organizada, sob suas as ordens e supervisão.

Esta fase da Operação Liberdade foi batizada de Tergêmino devido à rota percorrida pela droga e pelos criminosos entre três estados: Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina.

Segundo a delegada Cecconello, a policia também se surpreendeu quando identificou que Fogaça fazia a aquisição de volumosa quantia de crack e cocaína oriunda da fronteira da Bolívia em parceria com Crinston Cloves Ferreira, preso pela PF em 2009 por envolvimento na quadrilha do traficante “Fernandinho Beira Mar” e que está foragido. Ferreira residia no Novo Mundo, em Curitiba, e em parceria com Fogaça, contratava novos gerentes e soldados do tráfico, que coordenavam todo armazenamento e distribuição da droga adquirida pela dupla.

Após a prisão de Rafael Rodrigues dos Santos em 20 de novembro deste ano, flagrado com cerca de 11 quilos de crack que estava transportando para fazer a distribuição aos membros da quadrilha, parte dos investigados temeu estar sob investigação policial e fugiu.

Além de Fogaça, foram presos: Rafael Rodrigues dos Santos, Jair Pessoa da Silva, Michael Martins, Renato de Souza Pereira, Leandro Rodrigo Lopes de Almeida, Cesar Alves, Patrícia Firmino Sragovicz, José Lira da Silva, José Helivelton de Almeida, Edson Emanuel de Almeida, Guilherme Pedroso de Almeida e Claudio Pizzi.

Além de Crinston, estão foragidos: Meri Carvalho e Michel Fernandes.

Fonte: Correio do Lago