ad

Cinco mandados de prisão e quatro de busca e apreensão foram cumpridos na manhã de terça-feira (02) em uma operação da Polícia Civil do Paraná contra uma organização criminosa que fazia carteiras de identidade falsas para foragidos da Justiça e para o cometimento de crimes de estelionato. Os mandados são cumpridos em Maringá, Sarandi e Rancho Alegre D’Oeste.

Um dos alvos da operação é funcionário da prefeitura do município de Rancho Alegre D’Oeste, de 48 anos, suspeito de executar a fraude. O homem prevalecia-se do fato de trabalhar no atendimento do posto para confecção de carteiras de identidade e inseria dados falsos no sistema para contribuir com criminosos. De acordo com as investigações, o posto de atendimento em que o funcionário municipal trabalhava teria confeccionado cerca de 160 carteiras de identidade falsas.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Um dos criminosos beneficiados pelo esquema é Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, conhecido como Marcelo Piloto, apontado pela Polícia Civil como um dos maiores traficantes do país. Ele estava preso no Paraguai e foi expulso em novembro do ano passado após matar uma jovem, de 18 anos, dentro da cela onde estava detido. Ele teria executado a jovem para evitar ser extraditado para o Brasil.

Outro alvo da ação é um contador do município de Maringá, de 43 anos, que já conta com diversas passagens policiais por crimes de estelionato. Ele e outras três mulheres, de 25, 34 e 43 anos, juntos do servidor municipal de Racho Alegre D’Oeste, criavam empresas fraudulentas, registravam em nomes de laranjas e davam o golpe do seguro desemprego e salário maternidade. A fraude teria gerado um prejuízo superior a R$ 1 milhão para os cofres públicos.

Na primeira fase da operação, ocorrida em dezembro do ano passado, foram cumpridos mandados de busca e apreensão na residência e no posto de identificação onde trabalhava o servidor público em Rancho Alegre D’Oeste, além de um escritório de contabilidade em Maringá. Na ocasião foram apreendidos computadores, celulares e documentos.

A operação foi batizada como “Vucetich”, em alusão ao argentino nascido na Croácia, Juan Vucetich, que desenvolveu e colocou pela primeira vez em prática um sistema eficaz de identificação de pessoas mediante suas impressões digitais.

As informações são da CBN