[dropcap color=”#1e73be”]O[/dropcap] governo do Paraná abriu dois novos editais para credenciamento de empresas interessadas em participar do Programa Trator Solidário executado há dez anos pela Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e entidades parceiras. O programa foi criado para atender a pequena propriedade com o financiamento de tratores, colhedora de grãos e implementos agrícolas.

O primeiro edital contempla pulverizadores e tratores, e o segundo, colhedora. Para este ano, estima-se que serão aplicados até R$ 108,5 milhões para aquisição destes equipamentos.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Segundo o secretário estadual da Agricultura, Norberto Ortigara, o objetivo é dar continuidade aos incentivos para a modernização da pequena propriedade. “Com este programa o governo consegue facilitar o acesso dos pequenos agricultores as máquinas e equipamentos que tem seus preços reduzidos de 15% a 20%, em relação aos praticados no mercado”, explicou.

Por meio do chamamento público, o governo abre a livre concorrência no mercado, obtendo como resultado uma redução dos preços dos equipamentos. Esse conjunto de fatores impulsionou o programa e tornou o Trator Solidário uma política pública, com elevado impacto social no campo.

De acordo com o diretor do Departamento de Economia Rural (Deral) e coordenador do programa na Secretaria da Agricultura, Francisco Simioni, este ano a expectativa é de financiar mil tratores, 50 colhedoras e até 100 pulverizadores. Simioni destaca que todos estes equipamentos são compatíveis com as atividades desenvolvidas nas pequenas propriedades, que exploram feijão, milho, avicultura, piscicultura, fruticultura, e olerícolas.

Em estudos realizados pela Seab, Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), foram definidas as características dos equipamentos para atender às necessidades dos pequenos agricultores.

De acordo com os editais deste ano os preços dos tratores de 55/CV devem ter um teto máximo de R$ 66.500, os de 75/CV, sem cabine, no valor de R$ 84.800 e o de 75/CV com cabine, que foi lançado em 2016 e teve excelente aceitação, é de até R$ 101.300.

A colhedora de grãos com capacidade mínima de 175/CV está cotada ao preço máximo de R$ 338.450 e os pulverizadores, vão de R$ 9.741 com capacidade para 400 litros, até R$ 25.932 para o modelo mais sofisticado, com capacidade para 900 litros.

Segundo Simioni, já é grande a procura dos agricultores para estes financiamentos. A partir do dia 15 deste mês, os escritórios do Emater já estarão recebendo as pré-propostas dos agricultores, onde eles manifestam seu interesse e definem o tipo de equipamento, o agente financeiro que desejam fazer o financiamento e a marca dos produtos. Tudo é feito com a decisão direta do beneficiário.

A principal linha de financiamento do Programa Trator Solidário é a Mais Alimentos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). O Instituto Emater é o responsável pela seleção dos agricultores e pela elaboração dos projetos técnicos para compra dos equipamentos. Da parte dos fabricantes, Simioni informa que três empresas já estão credenciadas este ano.

A Secretaria da Agricultura gerencia o programa e promove a integração de agentes financeiros, fabricantes e concessionárias, assistência técnica, produtores/beneficiários e técnicos, permitindo que o fluxo operacional se desenvolva de forma contínua e harmoniosa em todas as etapas.

A Fomento Paraná, gestora do Fundo de Desenvolvimento Econômico (FDE), por sua vez é responsável pelo pagamento da equivalência em produto que é garantida pelo Tesouro do Estado.

Portal Guaíra com informações da AEN