Os professores da Universidade Estadual de Londrina (UEL) decidiram pela suspensão da greve nesta quarta-feira (18).  Ao todo, 476 servidores participaram da assembleia no campus da universidade, segundo o Sindicato dos Professores do Ensino Superior Público Estadual de Londrina e Região (Sindiprol/Aduel). Do total de votos, apenas 13 foram contrários a suspensão, além de nove abstenções. A greve dos professores da UEL começou no dia 12 de fevereiro.

“Foi determinante a possibilidade do diálogo. A categoria esperava desde o início da greve por posições concretas, propostas concretas do Governo do Estado. Quase um mês depois de estarmos em greve é que vem o governo, por meio de um representante da Assembleia Legislativa, e chega a assinar um documento com propostas concretas”, diz o presidente da Sindiprol/Aduel, Renato Barbosa.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

No dia 12 de março, os servidores técnicos administrativos da UEL já tinham decidido pela suspensão da greve na categoria. Eles retonaram ao trabalho na segunda-feira (16).

A data de retorno as aulas ainda será definida pela UEL. As atividades na universidade deveriam ter começado no dia 19 de fevereiro. “Depende ainda da estrutura da universidade estar preparada para isso. Não tem condições de voltar as aulas sem o repasse da verba para o custeio, que o Governo do Estado deve para a universidade desde o ano passado”, explica Barbosa.

Tanto os professores quanto os técnicos administrativos decidiram também permanecer m estado de greve até o pagamento do um terço de férias, no dia 30 de março, e a realização da reunião do grupo de discussão com representantes dos sindicatos dos servidores públicos estaduais, quando será definido o futuro da Paranaprevidência.

uel_fachada

Portal Guaíra com informações do G1