A Polícia Civil no sábado (01) cumpriu mandados de buscas e apreensão de duas motocicletas, dois veículos, dinheiro e diversos objetos, que podem ter relação com a professora que foi roubada em R$ 400 mil.

Segundo informações repassadas à reportagem, além do desvio de R$ 400 mil de uma conta bancária, há suspeitas de que a paciente vinha sendo dopada. E há suspeitas até de agressões físicas.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O resultado é que a professora, após ter contraído Covid-19 de uma das cuidados, encontra-se na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) com traumatismo craniano e neste sábado (01) contraiu uma bactéria.

De acordo com uma das filhas da professora, a mãe possui quatro cursos superiores e sempre trabalhou muito. “Minha mãe é uma pessoa muito segura. E economizou a vida inteira, sempre guardando o dinheiro no banco. Foi assim que ela conseguiu essa quantia.”

Entretanto, quando foi acometida pelo Mal de Alzheimer, os filhos se reuniram e buscaram uma cuidadora. Conforme a filha, que mora nos Estados Unidos, e que hoje está em Guarapuava, a escolha recaiu sobre uma técnica de enfermagem.

“Ela está conosco há mais de um ano. Uma pessoa que era da nossa inteira confiança. Contratamos outras três, escolhidas por ela para ajudar. Como minha mãe mora ao lado da casa da minha irmã, que é médica, ficamos sossegados”.

A filha que mora nos EUA faz chamadas de vídeo para conversar com a mãe. A última conversa ocorreu no dia 9 de abril. Entretanto, nas últimas semanas, a resposta que tinha era de que a mãe sempre estava dormindo.

“Comecei a estranhar porque ela estava dormindo demais. E como minha irmã está muito doente não quis incomodá-la”.

No dia em que a filha conseguiu conversar com a mãe, percebeu que ela estava desorientada. No dia seguinte, na nova chamada de vídeo, a mulher estava com hematoma num dos olhos. “A cuidadora disse que minha mãe tinha batido o rosto na cadeira e que isso seria normal pelo avanço da doença”.

Em seguida, segundo a filha, a cuidadora ligou dizendo que a idosa estava com febre alta.

“Minha irmã levantou da cama, chamou uma colega médica e foram na casa. Minha mãe estava com pneumonia”. Já no hospital, além do diagnóstico da covid-19, uma tomografia que apontou que o hematoma no olho era decorrente trauma de crânio.”

Tratava-se, portanto, de hemorragia cerebral sofria há cerca de uma semana. “Houve negligência porque nenhuma das cuidadoras avisou. E todas são técnicas em enfermagem. Minha mãe está na UTI com um fio de vida e isso dói muito”.

A vinda de uma das filhas para o Brasil foi imediata. Ao chegar em Guarapuava, já na casa, ela começou a tirar satisfações com as cuidadoras. Uma delas se afastou por causa da covid-19, após ter passado a doença para a professora.

Quando a filha começou a pedir boletos bancários, cartões de crédito, cuidadora desconversava.

“Ela nunca me apresentou nada. Mas quando achei um extrato, constatei o desfalque. Havia várias retiradas de R$ 2,5 mil. Pagamentos de cheques no valor de R$ 10 mil. Tudo isso ocorria constantemente. A soma do roubo é de R$ 400 mil.”

De acordo com a filha, há suspeitas de que haja outras pessoas envolvidas. “Só queremos que a justiça seja feita para evitar que outras pessoas sejam vítimas de estelionato. Nossa mãe está na UTI e pedimos orações para que Deus restabeleça a saúde dela e que ela possa deixar a UTI e voltar pra casa”.

Portal Guaíra com informações da RSN