O Ministério Público do Paraná (MP-PR), por meio da Promotoria de Justiça de Pontal do Paraná, no litoral do estado, denunciou seis pessoas investigadas por manter homem em cárcere privado e sob tortura durante pelo menos oito horas.

A denúncia foi assinada pelo promotor Edson Ricardo Scolari Filho, na segunda-feira (13).

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Os denunciados foram presos em flagrante no dia 26 de agosto durante sessão de um “tribunal do crime”, segundo o MP. A prática é utilizada por facções criminosas para cobrar dívidas e punir discordantes.

No documento, o MP afirma que a vítima foi encontrada no sofá, amarrada com cordas, em uma residência conhecida como “lojinha”, local em que os denunciados se dedicavam à prática do tráfico de drogas.

“Submeteram a vítima mediante emprego de violência e grave ameaça consistente em amarrá-la e agredi-la com pedaço de pau e ameaças de morte, a intenso sofrimento físico e mental como forma de aplicar castigo pessoal, uma vez que ela contraiu dívida ante a aquisição de drogas e não efetuou seu pagamento”, apontou a denúncia.

Com os investigados, foram apreendidas drogas, balança de precisão, anotações de tráfico, cordas, facas, arma de fogo e também um veículo furtado.

Conforme o MP, entre os crimes denunciados, estão:
– organização criminosa;
– sequestro e cárcere privado;
– tortura;
– tráfico de drogas;
– associação para o tráfico;
– porte de arma de uso restrito;
– receptação.

A pedido do Ministério Público, os denunciados tiveram prisão preventiva decretada e deverão permanecer presos durante o processo.

Em caso de condenação, as penas podem ultrapassar 40 anos de prisão, conforme o MP.

Portal Guaíra com informações do G1