ad

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) deu parecer favorável para que o ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho cumpra pena com o uso de tornozeleira eletrônica. O parecer foi enviado à Justiça na noite de quarta-feira (29). A decisão cabe à juiza da execução penal, que havia pedido a manifestação da promotoria.

No documento, a Promotoria de Justiça cita que não há vagas disponíveis no sistema semiaberto e, por isso, concorda que o ex-deputado seja monitorado por tornozeleira eletrônica.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O MP-PR sugere ainda que Carli Filho deva residir obrigatoriamente em local onde exista sinal de celular, para que o monitoramento seja feito. O ex-deputado deve ainda fazer cursos, além de se apresentar mensalmente à Justiça, segundo o documento.

O parecer considerou ainda o fato de que o ex-deputado não possui outros antecedentes criminais.

Carli Filho está preso desde terça-feira (28), quando se entregou na Vara de Execuções Penais de Guarapuava, na região central do Paraná. Desde então, o ex-deputado está em uma sala especial da Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG).

Carli Filho foi condenado por duplo homicídio com dolo eventual pelas mortes de Gilmar Rafael Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida. Os dois morreram em um acidente de trânsito em 2009, em Curitiba.

A Justiça determinou na sexta-feira (24) que o ex-deputado começasse a cumprir a pena de sete anos, quatro meses e 20 dias de prisão em regime semiaberto. Na segunda-feira (27), uma liminar estabeleceu um prazo de 24 horas para que Carli Filho se apresentasse.

Condenação
Em fevereiro de 2018, o ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho foi condenado por júri popular. A sentença estabeleceu pena de nove anos e quatro meses de prisão em regime fechado.

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) começou a avaliar em dezembro de 2018 se o julgamento seguiu o rito legal, além do tempo da pena fixada.

O julgamento foi interrompido e retomado em fevereiro deste ano. Na decisão, o TJ-PR determinou a redução de pena do ex-deputado.

Portal Guaíra com informações da RPC