PF deflagrou operação contra contrabando de cigarros no PR, SP e MS (foto: Reprodução RPC/TV)
ad

A operação da Polícia Federal (PF) para combater o contrabando de cigarros do Paraguai prendeu na terça-feira (12) um médico e um advogado suspeitos de liderarem um esquema criminoso. Além deles, outros nove suspeitos foram detidos.

As investigações, iniciadas em 2012, apontam que o grupo chegou a movimentar R$ 1,8 milhão por dia em cigarros contrabandeados. A operação, denominada de “Pleura”, ocorreu no Paraná, em São Paulo e no Mato Grosso do Sul.

Segundo a PF, o médico trabalhava em dois hospitais públicos das cidades de Santa Isabel do Ivaí e Santa Cruz de Monte Castelo, no noroeste do Paraná. O suspeito chegou a abandonar alguns plantões nas duas unidades para coordenar o contrabando de mercadorias.

“Detectamos que ele deixou alguns plantões em dois hospitais públicos e foi até os portos onde as embarcações atracavam para dar apoio e coordenar o transporte dos cigarros contrabandeados”, disse o delegado da PF, Alexander Boeing Noronha Dias.

Os nomes dos envolvidos não podem ser divulgados a pedido da Justiça.

“Com o reforço da fiscalização em Guaíra, a quadrilha passou a utilizar uma nova rota para contrabandear os cigarros. Como a região de Querência do Norte não tem um policiamento ostensivo, o grupo se sentia a vontade para atuar. Mas, após algumas apreensões de caminhões, os motoristas presos relataram que os produtos foram carregados em Querência do Norte. Tivemos vários relatos, o que nos fez investigar aquela região”, afirmou o delegado Dias.

Até 20h30 de terça, 11 pessoas tinham sido presas, entre elas o médico e o advogado, que são irmãos. Quatro pessoas permanecem foragidas.

“Eles já atuavam há algum tempo com o contrabando. Na casa do médico, encontramos anotações com toda a contabilidade da quadrilha, o que deixou claro a atuação deles. Já na casa do advogado, encontramos uma grande quantidade de munição”, afirmou o delegado da PF.

operacao-pleura-2

Portal Guaíra com informações do G1