A mulher que matou a facadas o homem que estuprou sua filha de apenas dois anos deve responder em liberdade ao processo pelo homicídio. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (20) pelo advogado dela, Rodrigo Riquelme, em entrevista ao programa Tribuna da Massa. No entanto, o fato da mãe ter deixado as crianças sozinhas em casa na companhia de um estranho pode acarretar problemas para ela.

Isso porque, segundo o delegado Mario Sergio Bradock, ela poderá responder também por abandono de menor incapaz, já que tinha saído de casa para, supostamente ir a uma festa. “Ela mesma falou para a médica do Samu que foi atender à ocorrência e constatou o óbito do indivíduo”, disse o delegado. “O problema é o contexto da história, deixar uma criança de dois anos que ainda usa fralda aos cuidados do irmão, que talvez tenha envolvimento com drogas, e de um outro cara que ela nem sabe quem é”, explica o delegado.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Essa versão é contestada pela defesa da mulher, que argumenta que ela tinha saído de casa para ajudar um amigo que está com familiares enfrentando um câncer. “O rapaz que morreu estava na casa dela há alguns meses e ela não achou que houvesse risco, confiou nele por duas horas, tempo que levou para ir até a casa do amigo ajudá-lo”, argumenta Riquelme. Quando voltou para casa, encontrou a criança machucada e chorando.

“Quando ela levou criança no banheiro, sentiu cheiro diferente na menina e viu sangue nas nádegas dela. Ficou desconfiada e a criança disse que ‘o titio fez isso comigo, tô com medo’”, conta o advogado. Depois de deixar a criança na cama, ela foi até o suspeito para questioná-lo sobre o abuso e ouviu o homem responder que “não aguentei de tesão na tua filha”. Diante da confirmação, ela pegou uma adaga que enfeitava a casa e atingiu o pescoço do homem, que morreu no local.

“Na minha concepção, no meu convencimento, ela vai responder por abandono de incapaz e mais o homicídio. Se ela não tivesse ido pra balada, nada disso teria acontecido”, assegura o delegado Bradock.

Portal Guaíra com informações da Rede Massa