A Justiça determinou a soltura de Josué da Silva, de 45 anos, que é réu confesso de ter matado por estrangulamento sua ex-esposa, Claudete Alves, de 55 anos, após uma crise de ciúmes. O crime teria acontecido na quarta-feira da última semana (17).

Josué segue hospedado na casa de familiares, haja visto que não possuía residência e morava, antes do trágico episódio, na residência junto de Claudete. A delegada que investiga o caso, Sâmia Coser, afirma que em seu entendimento, o réu poderia responder em liberdade:

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Isso não quer dizer que ele ficará impune, não tem nada a ver. […] Não existia uma situação anterior de registro de boletim de ocorrência dela contra ele, não existe um risco iminente de fuga, ele ficou no local [do crime], ele podia ter fugido mas ficou no local, ele não fugiu, ele confessou”, explicou.

O crime

Claudete Alves, de 55 anos, foi encontrada morta em sua própria residência, no dia 17, vítima de estrangulamento praticado por seu ex-esposo, com quem ela vivia. O relacionamento dos dois havia acabado há mais de dois anos, porém o morador era bastante possessivo e não permitia que a vítima morasse sozinha.

“Conforme ele disse, naquele dia ele teve uma crise de ciúmes porque ela estava com a família momentos antes assistindo jogo de futebol. Ele passou por lá e viu que ela estava na casa da família. Ele a chamou para ir para casa, não aceitando o término desse relacionamento. Ele pegou ela, segundo ele, desprevenida, e a esganou”, explicou a delegada Sâmia.

Em depoimento, Josué não soube apontar um motivo sequer para ter tirado a vida da mulher, que era mãe de três filhos.

“Era uma mulher incrível. Me arrependi muito de ter feito isso com ela, isso é covardia”,

Portal Guaíra com informações OBemdito