(Foto Ilustrativa de Markus Spiske no Pexels)

Um homem denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MPPR), por meio da 1ᵃ Promotoria de Justiça de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, por iludir adolescentes e seus familiares prometendo colocá-los em times profissionais de futebol foi condenado pela Vara Criminal de Piraquara a 12 anos, 7 meses e 6 dias de reclusão por tráfico de pessoas.

A denúncia foi apresentada em dezembro de 2020, após ação de busca e apreensão feita a pedido do MPPR e do Ministério Público do Trabalho na casa do réu encontrar dez adolescentes abrigados em possível regime de servidão.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Conforme apurou o MPPR, o homem atrairia os meninos em cidades do Mato Grosso, apresentando-se como “olheiro de clubes profissionais”, afirmando estar selecionando adolescentes com talento para encaminhá-los para realizar testes em times profissionais do Brasil e do exterior, com vistas a possível ingresso nas categorias de base.

Informalidade – De acordo com a denúncia, não havia formalização de contratos ou quaisquer outros documentos que estipulassem as obrigações assumidas pelo denunciado, tendo as famílias aceitado enviar os adolescentes com base nas promessas feitas e em relações de confiança. Os adolescentes eram abrigados em Piraquara na própria casa do réu (que não tinha alvará para tanto) apenas com uma “autorização de moradia”, mediante pagamento de R$ 1 mil por mês, além de outras despesas. O denunciado também não apresentou contrato com os quatro clubes (de duas cidades do Paraná e uma de Santa Catarina) que dizia representar procurados pelo Ministério Público, todas as instituições negaram manter vínculos com ele.

Ainda segundo a denúncia, o homem “mantinha as vítimas em condição de submissão, valendo-se da força de trabalho do que seriam atletas em formação, mediante rotinas de “treinamentos” (leigos), testes e viagens, de acordo com seus interesses”.

Cabe recurso da decisão. O réu está preso preventivamente e não poderá recorrer em liberdade.

Portal Guaíra com informações do MPPR