Disparos atingiram porta do carro em que suspeito estava, segundo a PM — Foto: Julio Cesar Alves/Rádio Ampére

ad

Um homem, foragido da Justiça e suspeito de participar de um latrocínio em Nova Prata do Iguaçu, no sudoeste do Paraná, foi morto após um confronto com Polícia Militar (PM) na noite de sábado (30). A troca de tiros aconteceu em Ampére, também no sudoeste, de acordo com a PM.

Segundo a PM, policiais receberam a informação de que o suspeito, De acordo com a PM, que tinha mandado de prisão aberto por receptação, roubo e lesão corporal, estava no bairro Vila Esperança. Quando os policiais chegaram no local, visualizaram o homem, de 29 anos, entrando em um carro.

Ainda de acordo com a polícia, o homem tentou atropelar os militares e conseguiu furar um bloqueio que havia sido montado. Na fuga, ele bateu o carro contra uma árvore, desceu do veículo e, conforme a PM, atirou contra os policiais, que revidaram.

O suspeito foi baleado e socorrido pela equipe policial. Ele foi levado para um hospital de Ampére, onde morreu.

A PM apreendeu um revólver, além de um simulacro, facas e munição. O corpo do suspeito foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML) de Francisco Beltrão, também no sudoeste do estado.

O G1 tenta contato com o Comando da Polícia Militar para saber mais informações sobre esse caso.

Envolvimento com latrocínio
Segundo a polícia, o homem ainda era suspeito de ter participado de um latrocínio em uma propriedade rural de Nova Prata do Iguaçu, em fevereiro.

A vítima, Luiz Lubavi, 68 anos, morreu com um tiro na cabeça. À época do crime, em entrevista à RPC, familiares de Lubavi relataram que ele pegou uma arma no momento em que os assaltantes se distraíram e atirou contra um dos ladrões, que morreu. Na sequência, o idoso foi baleado.

Caminhonetes foram levadas da propriedade. A Polícia Militar montou uma barreira, próxima da fronteira com a Argentina, onde encontrou os ladrões. No entanto, os assaltantes bateram os veículos roubados e fugiram pelo mato. Apenas um dos criminosos foi preso.

Portal Guaíra com informações do G1


ad