O promotor de Justiça João Milton Salles protagonizou um momento no mínimo desconfortante em audiência de sustentação oral do Tribunal do Júri de Curitiba. Ao ser questionado pelo advogado Luis Gustavo Janiszweski, o promotor disse “estar cagando” se o defensor estava se ofendendo.

O bate boca viralizou e a OAB Paraná divulgou uma nota de repúdio, em que diz considerar o comportamento do representante do Ministério Público ‘um desprezo à atividade da advocacia’.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Durante a sessão, o advogado questionou Salles sobre comentários feitos a respeito de uma advogada que participou do caso. “Doutor, só para entender: agora o senhor vai falar mal dos profissionais e da defesa como um todo?”, questionou, dizendo que estava começando a ficar ofendido.

O promotor então respondeu exaltado: “Eu estou cagando se o senhor está se ofendendo”. O advogado questionou o palavreado usado e ele retrucou dizendo que esse é ‘seu vocabulário’. “Eu sou promotor de Justiça há 24 anos, eu visto o meu papel de promotor de Justiça e é isso que vou dizer aqui”, acrescentou.

Em nota de repúdio, a OAB diz ‘repudiar de forma veemente o tratamento dispensado pelo representante do Ministério Público à advocacia’ e que ‘não tolera e repudia o uso de palavras de menosprezo e ofensivas à advocacia’.

“OAB-PR manifesta sua indignação e lamento ao tratamento dispensado pelo promotor de Justiça, Dr. João Milton Salles, que ofendeu não apenas o advogado que estava exercendo a defesa técnica em plenário, mas toda a classe dos advogados”, pontua em nota.

A instituição ainda afirma que vai recorrer à Corregedoria do Ministério Público para apurar os possíveis excessos cometidos pelo promotor.

Portal Guaíra com informações da Agência Estado