ad

A 12ª Vara Criminal de Curitiba condenou Edison Brittes, acusado de matar o jogador Daniel, por receptação de carro roubado. A decisão, do juiz José Daniel Toaldo, é de 25 de setembro, mas foi divulgada na quinta-feira, 14. Nesta ação, Brittes foi condenado a um ano e quatro meses de prisão em regime semiaberto.

No entanto, Edison Brittes está preso, preventivamente, desde novembro de 2018. Ele aguarda a decisão da Justiça sobre o caso do homicídio do jogador Daniel.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

De acordo com a sentença, Brittes foi flagrado no dia 6 de fevereiro de 2015 em posse de um carro fruto de roubo. Segundo a denúncia do Ministério Público, Brittes comprou o carro sabendo que ele tinha sido roubado. Segundo as investigações do MP, o carro foi roubado em outubro de 2014, em Porto Alegre.

Na decisão, o juiz afirma que Edison Brittes não apresentou comprovantes da compra do carro e apresentou versões com valores que não correspondiam ao preço de mercado do veículo. “Não há dúvidas de que o acusado se encontrava em condições de saber que o veículo era procedente de crime, não havendo que se cogitar a prática do crime em sua modalidade culposa”, diz a decisão.

A defesa de Edison Brittes afirmou que não vai se manifestar sobre o caso.

Caso Daniel
Edison Brittes é acusado de ter matado o jogador Daniel, no dia 27 de outubro de 2018, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. O corpo do jogador foi encontrado com o órgão sexual mutilado, perto de uma estrada rural na Colônia Mergulhão.

O crime aconteceu depois de uma festa de aniversário da filha de Edison, Allana Brites. A comemoração começou em uma boate da capital paranaense. Depois, continuou na casa da família Brittes, em São José dos Pinhais.

Portal Guaíra via Assessoria