Um caso revoltante de assédio contra alunas adolescentes dentro de um colégio estadual, em Pérola do Oeste, na região oeste do Paraná, terminou com uma prisão na última sexta-feira (7). O diretor da instituição foi detido pela Polícia Civil do Paraná (PCPR), após testemunhas relatarem fatos de importunação sexual dentro da escola.

Segundo as investigações, o diretor, de 72 anos, já respondeu a processos por fatos similares na mesma unidade de ensino, tendo sido demitido no ano de 2003. Após tal fato, teria realizado novo concurso público e retornou ao cargo de professor, com atuação no mesmo colégio.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Desta vez, pelo menos três alunas, com idades entre 14 e 15 anos, relataram casos de importunação sexual dentro do colégio. Várias testemunhas foram ouvidas, afirmando que o suspeito, fazendo uso de seu cargo de diretor, importunava sexualmente as alunas, inclusive dizendo que poderia aumentar as notas destas.

Em um dos casos, o diretor perseguia uma das alunas quando a vítima ia até o banheiro. O suspeito teria oferecido dinheiro para a adolescente em troca de uma relação sexual. Nesta oportunidade, o idoso ainda teria colocado a mão em partes íntimas da aluna.

Após ciência da existência de investigação policial em seu desfavor o indiciado passou a coagir testemunhas, inclusive alguns alunos menores de idade, os quais estariam com medo de ir à escola, motivo pelo qual foi solicitado pelo autoridade policial local a prisão do suspeito.

“A prisão do suspeito foi necessária para que esta parasse de tentar influir nas investigações. Vários são os relatos de pessoas que alegam que as condutas abusivas por parte do investigado ocorrem há anos, sendo que este sempre saiu impune. Com a prisão dele novas vítimas poderão aparecer e prestar seus depoimentos sem temor de represálias”, destacou o delegado Rodrigo Colombelli.

Ouvido perante o delegado, em qualificação e interrogatório, o investigado negou as práticas delitivas. O suspeito encontra-se detido na cadeira pública de Capanema, aguardando deliberação judicial.

Portal Guaíra com informações da Ric Mais