[dropcap color=”#dd9933″]A[/dropcap]s cooperativas agropecuárias paranaenses Copacol, com sede em Cafelândia, e Lar, em Medianeira, ambas no Oeste do Paraná, emitiram, na sexta-feira (20/04), nota de esclarecimento sobre a decisão da União Europeia (UE), de suspender a habilitação de 20 plantas frigoríficas do Brasil que exportavam carne de frango para o bloco. “É importante ressaltar que, conforme informações extraoficiais, oito destas empresas foram suspensas somente em uma categoria de produto – frango salgado – e poderão continuar a embarcar produtos para a Europa. A Copacol continua habilitada e apta para exportar o produto – frango in natura – para a Europa, respeitando e cumprindo a legislação europeia”, diz o comunicado. A cooperativa informa ainda que vende seus produtos para mais de 50 países, atuando em cinco continentes. “Para tanto, contamos com importantes certificações de qualidade, como o ISO 9001, BRC – Produtos Alimentícios e APPC/HACCP, que nos certificam não apenas como uma indústria apta a produzir alimentos, mas como uma empresa especializada e segura para atender demandas do mundo inteiro”, diz ainda a nota da Copacol.

A Lar lamentou a decisão da UE, que afeta a Unidade Industrial de Aves localizada em Matelândia. “A Lar informa que essa decisão não está baseada em assuntos relacionados à saúde humana, mas em barreiras comerciais para a exportação da carne de frango brasileira. Conforme já divulgado pela Associação Brasileira de Proteína Animal – ABPA, os critérios determinados pela União Europeia para os embarques de produtos salgados e in natura são contestáveis. A cooperativa informa ainda que, do total de carne que industrializa, 50% é destinada à exportação e, deste volume, 7% corresponde à comercialização com a União Europeia”, afirma a direção da cooperativa.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Portal Guaíra com informações do Ocepar