ad

A explosão de um celular no bolso de um adolescente de 14 anos na semana passada durante uma aula de educação física em uma escola de Curitiba deixou mães e adolescentes em pânico nas redes sociais. O caso aconteceu na quarta (14) passada, mas as dicussões nas redes sociais não param. Tanto os pais da vítima, quanto outros consumidores pediram explicações ao fabricante do aparelho, que comunicou, em nota, que já apura o caso.

O aparelho que explodiu foi um Moto G7 Power e a explosão aconteceu quando a temperatura 7° e 11°, ou seja, não estava calor. Foram os amigos do dono do celular que avisaram que estava saindo fumaça do seu bolso. O adolescente teve que tirar a calça para evitar que fosse queimado pelo aparelho em chamas. Logo depois, o aparelho explodiu.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

A Motorola emitiu um comunicado para ressaltar que projeta e fabrica seus produtos de forma cuidadosa e já está em contato com o cliente, para analisar e entender o ocorrido. A empresa também recomenda a leitura dos termos de uso no manual, para utilizar somente acessórios e equipamentos da marca – ou autorizados por ela. Leia a nota na íntegra: “A Motorola tem como sua principal prioridade a segurança dos seus consumidores. A empresa reforça que todos os seus produtos são cuidadosamente projetados e fabricados com os mais altos padrões de excelência em qualidade, sendo submetidos aos testes rigorosos para oferecer ótimo desempenho para o consumidor. A empresa entrou em contato com o cliente solicitando o produto para que sejam realizadas todas as análises técnicas e entendimento do ocorrido. Até o momento, o consumidor ainda não encaminhou o aparelho e qualquer tipo de diagnóstico será prematuro. Pedimos aos nossos usuários que leiam e sigam os termos de uso contidos no manual do usuário e que eles apenas usem acessórios e equipamentos projetados, fabricados e/ou aprovados pela Motorola.”

Portal Guaíra com informações do Bem Paraná