O caminhoneiro Nilson Pedro dos Santos, de 35 anos, que atingiu cerca de 40 veículos de Ponta Grossa até Curitiba na manhã de sábado (14), conversou com a RICtv na segunda-feira (16). O homem pediu perdão aos proprietários dos veículos envolvidos na sequência de colisões, confessou que usou rebite e classificou a droga como “uma doença crônica que existe no mundo do caminhoneiro”.

“Nada do que eu vou falar aqui vai fazer com que as famílias acreditem em mim, mas eu peço perdão para todas as famílias que estejam envolvidas ali, e eles não sabem que isso [rebite] já é uma doença crônica que existe no mundo do caminhoneiro. Eu posso estar sendo o primeiro ou eu posso estar sendo o último, isso aí sempre vai existir”, disse Santos.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O homem ainda relatou que tinha tomado rebite e disse que estava trabalhando há três ou quatro dias sem dormir. A empresa que monitora o caminhão, no entanto, divulgou o tacógrafo do veículo, que mostra que o caminhão esteve parado durante a noite.

Santos já tinha passagens pela polícia por homicídio, roubo e desacato a autoridade. O caminhoneiro passa por audiência de custódia nesta segunda-feira e a Justiça irá definir se ele responderá em liberdade ou seguirá preso. O motorista foi autuado por tentativa de homicídio com dolo eventual, direção perigosa, dirigir sob efeito de entorpecente e por omissão de socorro.

Até o episódio, Santos não tinha nenhum registro de crimes de trânsito. “Ele está regularmente habilitado, a situação dele perante a empresa a Polícia Civil vai remeter cópia do procedimento ao Ministério Público do Trabalho para que verifique se há, ou não, alguma irregularidade”, disse o delegado Edgar Santana, da Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran).

A Polícia Civil ainda apura a quantidade exata de veículos atingidos pelo caminhoneiro. Pelo menos duas pessoas ficaram feridas.

Portal Guaíra com informações da Ric Mais