ad

Depois de 20 anos lutando pela sobrevivência em ruas de várias cidades brasileiras, aos 61 anos, João Barbosa da Silva Filho conseguiu a garantia de uma vida digna, sem precisar depender de ninguém. Ele se formou em educação física na faculdade Dom Bosco, em Curitiba.

O seo João, como é chamado carinhosamente pelos alunos, nasceu em Manaus, no Amazonas. Ele se mudou primeiro para Belo Horizonte para tentar uma vida melhor, mas não conseguiu. Depois, foi para São Paulo, onde acabou virando morador de rua e se tornou usuário de drogas.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Eu via as pessoas andando na rua, todas bonitinhas, com as suas marmitas na mão, e falava comigo mesmo que aquilo que eu estava vivendo não era vida pra mim”, contou João.

Pouco tempo depois, ele se mudou para São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, e conseguiu ganhar dinheiro como guardador de carros. Ele contou que passou frio, fome e até foi parar num hospital depois de ser agredido por outros moradores de rua.

Mas a “pancada”, segundo ele, serviu de lição para ele acordar para a vida. Foi a partir desse momento que o seo João percebeu a importância dos estudos. Ele passava tardes na Biblioteca Pública do Paraná e levava cadernos para estudar enquanto cuidava dos carros.

Com muito sacrifício e determinação, ele conseguiu uma vaga na Faculdade Dom Bosco. Foram sete anos até a conclusão do curso. Ele contou que durante esse período, precisou fazer o impossível para conseguir pagar a mensalidade e o aluguel de onde estava morando.

Graças à ajuda de várias pessoas, inclusive dos donos de um restaurante onde ele cuidava dos carros, que ofereciam refeição de graça, seo João conseguiu pagar o curso.

Recentemente veio a maior vitória para ele, a formatura.

“Não desista, faça como eu. Olha onde eu cheguei, estou feliz da vida. E eu não vou parar por aqui, eu ainda quero fazer pós-graduação”, comemorou.

Atualmente, João Barbosa vive em um quarto nos fundos do Ginásio Ney Braga, em São José dos Pinhais, onde trabalhou como estagiário por dois anos.

Portal Guaíra com informações da RPC