Fiscalização foi feita pela ANP em 16 cidades paranaenses — Foto: Reprodução/RPC

ad

Uma fiscalização da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) interditou 35 postos de combustíveis no Paraná. Segundo a ANP, a ação foi feita entre os dias 17 e 22 de agosto. O balanço foi divulgado na sexta-feira (23).

A fiscalização foi feita em 183 postos, além de uma distribuidora em 16 cidades do Paraná, sendo elas: Curitiba, Colombo, Pinhais, Araucária, São José dos Pinhais, Agudos do Sul, Maringá, Guarapuava, Pinhão, Candói, Laranjeiras do Sul, Ponta Grossa, São João do Triunfo, Londrina, Foz do Iguaçu e Cascavel.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Segundo a ANP, a ação foi desenvolvida com base em denúncias feitas à agência e em parceria com o Instituto de Pesos e Medidas do Paraná (Ipem).

Ao todo, a agência disse que interditou 31 bicos de bombas que forneciam volume abaixo do que era registrado.

Em um dos casos, na Região Metropolitana de Curitiba, os fiscais interditaram sete bicos de abastecimento, que desviavam pouco mais de um litro de combustível para cada 20 abastecidos.

Três postos que vendiam combustíveis fora dos parões de qualidade também foram fechados, de acordo com a agência. Os estabelecimentos funcionavam em Foz do Iguaçu, no oeste, e Curitiba.

Um posto que não tinha autorização para funcionar em Londrina, no norte do Paraná, foi interditado durante as fiscalizações, conforme a ANP.

Em Curitiba e municípios da região metropolitana, a ANP fiscalizou 84 postos e uma distribuidora. Na região, um posto foi fechado após os agentes encontrarem solvente na gasolina.

Multa
De acordo com a ANP os postos que foram autuados ou interditados podem receber multas em valores que variam de R$ 20 mil a R$ 5 milhões. Ainda segundo a agência, mesmo com a regularização dos itens fiscalizados, o estabelecimento responde a um processo administrativo.

Denúncias podem ser feitas para a ANP por meio do telefone 0800 970 0267 ou pelo site da agência.

Portal Guaíra com informações do G1