(Foto: Reuters/Dado Ruvic)

A Universidade de Oxford, no Reino Unido, informou na terça-feira (2) que ao receber a primeira dose da vacina contra covid-19 desenvolvida pela instituição, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, o indivíduo terá uma proteção média de 76% até receber a segunda aplicação, 90 dias depois.

Embora ainda precisem ser revisados por pesquisadores independentes, os resultados são animadores, pois sustentam um esquema de vacinação com a segunda dose em um intervalo mais longo do que outras vacinas, permitindo assim imunizar um número maior de pessoas em um primeiro momento.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

De acordo com a universidade, entre o 22º e o 90º dias após a primeira aplicação, os voluntários tiveram uma proteção de 76% que se manteve. Com a segunda dose, a eficácia da vacina sobe para 82,4%

A vacina Oxford/AstraZeneca será uma das mais usadas pelo Brasil no programa de imunização contra a covid-19 — será produzida pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos (Fiocruz). O Ministério da Saúde adotou o esquema de 12 semanas de intervalo.

Dois milhões de doses já foram distribuídas aos estados e municípios a partir do dia 23 de janeiro. Outros carregamentos devem chegar ao país a partir de 15 de fevereiro.

Outro ponto positivo relatado pelos pesquisadores de Oxford é a possível capacidade da vacina de impedir a transmissão do coronavírus.

Amostras de secreção nasofaríngea coletadas de voluntários no Reino Unido mostraram uma redução de 67% da transmissibilidade.

Nos próximos dias, o grupo prevê divulgar dados sobre o desempenho da vacina em relação às novas variantes do vírus.

As informações são do R7.com