Os suspeitos presos após trote em Palotina afirmaram à Polícia Civil que acharam que o produto não causaria danos a pele dos calouros.

Ainda de acordo com o delegado da Polícia Civil de Palotina, Pedro Lucena, os produtos apreendidos com os autores foram encaminhados para a perícia. Nela serão destacados se houve algum tipo de mistura.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Pedro Lucena ainda enfatiza que o inquérito policial está praticamente resolvido e as vítimas já fizeram os exames de lesões corporais.

Já os quatro suspeitos presos, dois jovens de 21 anos e duas moças de 21 e 23 anos, foram liberados após pagamento de fiança de R$ 10 mil e agora fazem uso de tornozeleira eletrônica. Eles devem responder por lesão corporal grave e constrangimento, além de outros crime.

SOBRE O CASO

Estudantes de Palotina sofreram queimaduras causadas por desinfetante de uso veterinário – a popular creolina – durante a aplicação de um “trote”, prática esta proibida pela UFPR (Universidade Federal do Paraná), na quarta-feira (30).

Segundo a polícia, 19 estudantes ficaram feridos e foram encaminhados ao Hospital Municipal de Palotina onde passariam por atendimento médico. Além disso, eles foram até a delegacia de Palotina fazer o boletim de ocorrência sobre o caso.

Portal Guaíra com informações da Catve