ad
Diego Freitas, marido da gaúcha morta durante assalto no ParaguaiFoto: Diogo Zanatta / Diogo Zanatta
Diego Freitas, marido da gaúcha morta durante assalto no Paraguai
Foto: Diogo Zanatta / Diogo Zanatta

Ainda chocado com a morte da mulher Noiara Bonatto, o veterinário Diego Freitas concedeu uma entrevista coletiva durante o velório, na tarde de domingo, em Passo Fundo, no norte do Estado.

>Ponte da Amizade – Morre turista gaucha que foi baleada ontem pela manhã

>Turista é baleada na Ponte da Amizade

Noiara foi atingida por um tiro no abdômen quando o casal cruzava a Ponte da Amizade em direção a Ciudad Del Este, onde fariam compras. Ele criticou a polícia paraguaia, e fez um apelo à polícia brasileira para que se faça justiça.

Zero Hora — Qual foi a reação de vocês ao assalto?

Diego Freitas — Não reagimos em momento algum. Ele atirou e só depois anunciou que era um assalto. Eu me preocupei em socorrer a Noiara e só depois fiquei sabendo que o outro casal tinha sido assaltado. O cara chegar ali, deste jeito e matar, é lamentável, uma coisa inexplicável o que ocorreu lá.

Zero Hora — Vocês foram atendidos pela polícia naquele momento?

Freitas — Policiais paraguaios estavam lá e nem deram bola. Não fizeram questão nenhuma de ajudar. Nem mesmo a socorrer a Noiara, assistiram a tudo sem fazer nada. E agora eles é que vão investigar, porque tinha passado 10 metros pro lado do Paraguai. E o Paraguai vai fazer alguma coisa?

Zero Hora — Como a família vai acompanhar as investigações?

Freitas — O rapaz que atirou voltou para o Brasil, os bandidos são brasileiros. Nós falamos com o prefeito de Foz do Iguaçu, que nos deu assistência, auxiliaram com o translado e prometeram que a Polícia Civil e Polícia Militar da cidade tomariam providências para acompanhar e auxiliar nas investigações. Tudo o que a gente quer é justiça.

Fonte: Zero Hora


ad