ad

[dropcap color=”#dd3333″]A [/dropcap]Polícia Federal, em cumprimento as ordens judicias deferidas pela Vara Criminal de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), deflagrou na terça-feira, 20, uma ação para reprimir crimes cometidos por indivíduos que ocupam posições de liderança na estrutura de rede de uma facção criminosa que atua dentro e fora de estabelecimentos prisionais no país. Um grupo identificado era responsável por comandar as ações da facção em todos os estados do país, autorizando o ataque a agentes públicos, crimes de tortura, rebeliões e compra e venda de armas de fogo para a prática de crimes.

As decisões partiam normalmente de dentro da Penitenciária Estadual de Piraquara no Paraná e eram difundidas através de uso de telefones celulares e aplicativos de comunicação. Nas unidades prisionais em que as ordens não entravam com uso destes meios de comunicação eram utilizados bilhetes encaminhados por meio de visitantes.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão e 31 mandados de prisão e preventiva de investigados em cidades nos estados de Rondônia (Porto Velho), Rio Grande do Norte (Mossoró), Roraima (Boa Vista), Minas Gerais (Uberaba), Mato Grande do Sul (Dourados e Campo Grande), Paraná (Londrina, Cambará, Curitiba, Araucária, São José dos Pinhais e Piraquara) e São Paulo (Presidente Bernardes, Presidente Venceslau, Lins, Mairiporã, Ubatuba e São Paulo).

O nome da operação policial faz referência a jogada de xadrez que tem por objetivo impedir a movimentação de peças do adversário em uma partida.

Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, associação para o tráfico de drogas e o comércio ilegal de drogas, tráfico de armas, tortura e homicídios.

Portal Guaíra com informações do Bem Paraná