O prazo contratual para o término da obra milionária que está nas mãos da Construtora Delta na região está previsto para a metade do próximo ano. No trecho ainda há muito do que não foi feito por fazer, mas tem muito trabalho que precisa ser refeito menos de seis meses depois de ter sido mexido na BR-163 de Marechal Cândido Rondon e Guaíra.

A União investirá em 63 quilômetros quase R$ 115 milhões para fazer a substituição total do pavimento, implantação de acostamentos em 45 quilômetros, implantação de terceiras-faixas em 12,7 quilômetros, duplicação de 5,4 quilômetros, além da adequação/construção das três principais interseções no segmento.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------
Trecho que já havia passado por reformas há poucos meses precisa ser refeito: má qualidade

Além da qualidade do trabalho que vem sendo feito, outro aspecto que chama a atenção é que os valores poderiam, em condições normais de topografia, duplicar pelo menos 40 quilômetros da rodovia. Em quase 30 quilômetros, do portal da cidade de Mercedes até Guaíra, o trecho está quase intrafegável. São buracos de todos os tamanhos e os maiores prevalecem.

Como não há balanças no percurso que é extremamente utilizado por caminhões carregados com areia, o excesso de peso tem feito com que o asfalto ceda. Há muitas ondulações, algumas delas nas laterais da pista, próximas ao acostamento, mas várias estão no meio do asfalto, na sinalização horizontal que a divide.

No local, as equipes de trabalho parecem menores, há menos pessoas e O Paraná flagrou algumas refazendo o trabalho que havia sido feito há poucos meses. Os valores destinados à obra, e a presença da própria Construtora Delta, a mesma que aparece em uma série de escândalos com envolvimentos com o contraventor Carlinhos Cachoeira, chamaram há alguns meses a atenção do OBS/PR (Observatório Social do Paraná), que analisa os documentos da licitação.

A entidade suprapartidária quer saber se houve superfaturamento do trecho. Além disso, conta o presidente da entidade, Fábio Dacila Sahd, o processo foi encaminhado ao MPF (Ministério Público Federal) e ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado)

Em alguns trechos onde os serviços já haviam sido feitos, máquinas e homens refazem os trabalhos; Dnit diz conhecer quadro

A versão do Dnit

Em nota, a Superintendência Regional do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) no Paraná, afirmou que “o Dnit está ciente das ocorrências que surgiram na pista durante a realização dos trabalhos e já cobrou a empresa responsável pela realização das obras que o serviço seja refeito sem qualquer custo adicional”.

Ainda de acordo com a nota, “é importante ressaltar que as obras estão em andamento e somente serão recebidas pelo Dnit dentro das condições previstas em contrato, ou seja, com a pista em perfeitas condições de rodagem, entre outras melhorias. Semana passada, o superintendente regional do Dnit no Estado do Paraná, José da Silva Tiago, esteve pessoalmente conferindo o andamento das obras na BR-163 no Oeste”.

Fonte: Juliet Manfrin – O Paraná

Fotos: Ailton Santos