As primeiras estimativas de plantio para as culturas de segunda safra do ciclo 2022/2023 no Paraná foram divulgadas na quinta-feira (22) pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria estadual da Agricultura e do Abastecimento. Segundo o documento Previsão Subjetiva de Safra (PSS), o milho terá uma área possivelmente 3% menor do que a do ciclo anterior, ocupando 2,64 milhões de hectares, enquanto 302,7 mil hectares devem ser destinados ao feijão – área 10% menor que a anterior. Os valores ainda passarão por reavaliações dos técnicos nas próximas semanas.

De acordo com o Deral, os atrasos no plantio e no desenvolvimento da soja, devido às condições climáticas em setembro, outubro e novembro, são o principal motivo do recuo nas áreas da segunda safra, embora ainda não seja possível dimensionar esse impacto. “A expectativa de atraso na colheita da soja deixou os produtores de milho indecisos com relação à área de cultivo. Mas, em janeiro, deveremos ter um retrato mais preciso da situação. De maneira geral, a perspectiva para a safra é boa”, explica o chefe do Deral, Marcelo Garrido.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O relatório traz também informações da primeira safra, destacando o encerramento do plantio da soja. Deverão ser colhidas aproximadamente 21,4 milhões de toneladas do grão. Com isso, a produção total de grãos, da primeira safra, pode somar R$ 25,53 milhões de toneladas. O volume, se for confirmado, supera em 64% a safra 2021/2022. A condição da primeira safra é considerada boa, mas, ao longo do ciclo, as lavouras foram impactadas pelo excesso de chuvas, pelas baixas temperaturas, principalmente em outubro, e também pela estiagem.

MILHO – Em condições ideais de clima, a segunda safra de milho pode gerar 15,4 milhões de toneladas no Paraná, segundo o Deral. Esse volume, se confirmado, representa um aumento de 16% em relação ao colhido no ciclo 2021/2022. Na comparação com dezembro do ano passado, os preços pagos ao produtor pela saca de 60 kg tiveram um recuo de aproximadamente 7%, de R$ 80,00 para R$ 74,00.

FEIJÃO – Apesar da redução de área, a produção estimada para a segunda safra de feijão 2022/2023 é de 599,3 mil toneladas, 7% superior a do ano passado e que, se confirmada, será recorde para a cultura. Quanto aos preços pagos ao produtor, o feijão do tipo cores teve um aumento de 60%, enquanto os preços do feijão preto subiram 10%. Tradicionalmente, o mês de dezembro tem menor demanda pela leguminosa, principalmente por causa das férias escolares e festas de final de ano.

SOJA – Com o encerramento do plantio da safra 2022/23, a estimativa do Deral é de que sejam colhidas aproximadamente 21,43 milhões de toneladas de soja em uma área de 5,7 milhões de hectares. O volume é levemente inferior ao divulgado no mês de novembro, pois alguns Núcleos Regionais fizeram reavaliações referentes às áreas plantadas.

“Com um clima irregular em algumas regiões paranaenses e ainda com um período considerável pela frente, o comportamento climático das próximas semanas será determinante para a definição da safra”, explica Garrido. Neste momento, 90% das lavouras se encontram em boas condições e 9% em condições medianas. Cerca de 6% da produção está comercializada.

TRIGO – A atualização de área e produção apresenta nova redução da safra de trigo, estimada neste mês em 3,38 milhões de toneladas. Esse volume é 15% inferior ao potencial que o Paraná tinha quando semeou a área de 1,19 milhão de hectares. Apesar de a perda ser relativamente pequena, há o agravante da baixa qualidade. Mesmo assim, em todas as regiões há lotes de qualidade superior, colhidos antes do período chuvoso se estender até novembro.

“Além disso, todas as áreas semeadas no Norte do Estado estavam colhidas antes de outubro, fazendo com que essa região se destaque ante as demais em qualidade, apesar de ter as produtividades mais afetadas pela seca”, diz o agrônomo Carlos Hugo Godinho. Comparativamente ao mesmo período do ano passado, os preços pagos ao produtor de trigo registraram aumento de 7%. Em dezembro, a saca de 60 kg foi comercializada, em média, por R$ 94,00.

HORTALIÇAS – O clima nublado afetou o ciclo vegetativo das hortaliças no Paraná na segunda safra 2022/2023. “De modo geral, percebe-se que os produtores estão agindo com cautela, ainda como reflexo das dificuldades desse mercado durante a pandemia”, explica o engenheiro agrônomo do Deral, Paulo Andrade. Segundo ele, a redução nas áreas estimadas acabou impactando o preço desses produtos no atacado.

Prevê-se redução de 17% na área de plantio da cebola, de 3,9 mil hectares na safra 2021/2022 para 3,3 mil hectares na safra atual. Essa área pode gerar 104,4 mil toneladas, de acordo com o Deral. A primeira safra de tomate tem área estimada em 2,4 mil hectares, 3% inferior à safra 2021/2022, resultando em um volume de 150,1 mil toneladas.

Os 15,1 mil hectares previstos para a primeira safra de batata devem gerar um volume de 470,8 mil toneladas. Estima-se também uma redução de 4% na área da segunda safra de batata, ocupando 10,5 mil hectares, com uma produção de 313,8 mil toneladas. Com relação à qualidade, as condições das lavouras desses produtos estão entre médias e boas.

CAFÉ – O relatório deste mês também traz as primeiras estimativas para o café. De acordo com o Deral, 26,6 mil hectares serão destinados ao cultivo do grão na safra 2022/2023, gerando uma produção de aproximadamente 42,8 mil toneladas. Esse volume será 42% superior ao da safra anterior, bastante prejudicada pelas adversidades climáticas, de acordo com o economista do Deral Paulo Franzini.

BOLETIM AGROPECUÁRIO – Também foi divulgado, nesta quinta-feira (22), o Boletim Semanal de Conjuntura Agropecuária. Além das análises das principais culturas, o documento traz informações sobre a importação de produtos tradicionalmente consumidos neste período do ano, como nozes e castanhas, cerejas, damascos, figos, tâmaras e uvas passas. Também traz dados sobre os preços na bovinocultura de leite, o abate de frangos e a exportação de ovos.

Portak Guaíra com informações da AEN