(Foto: Cortesia Fox News)

O correspondente da rede americana Fox News na Ucrânia, Benjamin Hall, perdeu parte de uma perna, um pé e um olho após o ataque a sua equipe na região de Kiev.

Em um comunicado enviado pela emissora ao g1 na quinta-feira (8), a companhia informou que Hall ainda está em processo de recuperação.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Para resumir, perdi meia perna de um lado e um pé do outro. Uma mão está sendo reconstruída, um olho não está mais funcionando e minha audição está bastante danificada”, disse o jornalista em nota.

Dois dos colegas de Benjamin Hall, o cinegrafista Pierre Zakrzewski, e a tradutora Oleksandra ‘Sasha’ Kuvshynova, morreram no mesmo ataque.

Zakrzewski, Kuvshynova e Hall estavam viajando em um carro em Horenka, na região de Kiev, quando foram atingidos.

“Já se passaram mais de três semanas desde o ataque na Ucrânia e eu queria começar a compartilhar tudo. Mas primeiro preciso prestar homenagem aos meus colegas Pierre e Sasha que não conseguiram chegar naquele dia. Pierre e eu viajamos pelo mundo juntos, trabalhar era sua alegria e sua alegria era contagiante”, escreveu o jornalista.

Conheça as vítimas do ataque
Pierre Zakrzewski
Zakrzewski, que morava em Londres, trabalhava na Ucrânia desde fevereiro., e foi descrito pela CEO da Fox News, Suzanne Scott, como um veterano da rede “que cobriu quase todas as histórias […] do Iraque ao Afeganistão e à Síria durante”.

“Sua paixão e talento como jornalista eram incomparáveis”, escreveu em um comunicado. “Ele era profundamente comprometido em contar as histórias e sua bravura, profissionalismo e ética de trabalho eram reconhecidos entre os jornalistas de todos os meios de comunicação.”

Sasha Kuvshynova
Kuvshynova tinha 24 anos e trabalhava como consultora e tradutora para a equipe da emissora americana na Ucrânia.

Suzanne Scott, disse em uma mensagem enviada à equipe que Kuvshynova estava ajudando a navegar pela cidade, reunir notícias e conversar com fontes.

“Trabalhando 24 horas por dia, ela ajudou a compartilhar a história da Ucrânia com o mundo e somos gratos a ela por isso”, escreveu. “Nossos correspondentes e nossos produtores dizem que ela era trabalhadora, engraçada, gentil e corajosa, o que você tem que ser para fazer esse tipo de trabalho.”

Portal Guaíra com informações do G1