Renato Feder, atual secretário de educação do Paraná, aceitou o convite do governador eleito Tarcísio de Freitas (Republicanos) para assumir a pasta no governo de São Paulo a partir de 2023. O g1 PR apurou que o gestor deve permanecer à frente da Secretaria de Educação e Esporte do Paraná (Seed) até o fim deste ano.

O comunicado foi feito ao governador Ratinho Junior, conforme apuração, em uma reunião na quinta-feira (17).

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Ainda de acordo com a apuração do g1 PR, Roni Miranda é o nome mais cotado para assumir a vaga de Feder para o próximo governo de Ratinho Junior. Atualmente, ele é diretor de educação da Seed.

Roni tem apoio de aliados do governador e também da base do governo na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), além de ser considerado um nome técnico.

Conforme apurado, a ideia de Ratinho Junior é dar sequência ao projeto de Feder.

Outro nome apurado foi o de Luizão Goulart, atual deputado federal do estado e ex-prefeito de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Hoje no Solidariedade, o parlamentar sofre resistência pelo fato de ter sido filiado e prefeito pelo PT.

Perfil de Feder
Natural de São Paulo (SP), Feder é formado em administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e mestre em economia pela Universidade de São Paulo (USP). Ele foi professor, gestor e diretor de escolas.

Feder também atuou como assessor voluntário por oito meses na Secretaria de Educação de São Paulo.

No Paraná, foi anunciado por Ratinho Junior ainda em 2018.

O paulista defende um projeto de parcerias com empresas privadas para a gestão de escolas da rede pública de ensino. Para 2023, o Governo do Paraná abriu em edital para selecionar empresas para auxiliarem na gestão educacional de 27 escolas estaduais.

Foi também na gestão de Feder que ocorreu a implantação de escolas cívico-militares no Paraná.

Além disso, conforme o governo, o secretário atuou na implantação de aulas de programação, empreendedorismo e educação financeira no currículo estadual.

Portal Guaíra com informações do G1