(Foto: Lucio Bernardo Jr. / Câmara dos Deputados)

O ex-ministro Bruno Araújo anunciou na terça-feira, 24, seu desligamento do cargo de presidente nacional do Partido Social Democracia do Brasil (PSDB). A saída antecipada foi confirmada em carta aberta a todos os filiados do partido, divulgada pela legenda nas redes sociais.

A expectativa é que a nova composição da Executiva Nacional, com a presidência do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, inicie em 2 de fevereiro.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Na carta, Araújo fala em ter orgulho da importância do PSDB para “a história e desenvolvimento do Brasil” e relembra sua trajetória na legenda, como deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, deputado federal e também como ministro das Cidades, cargo ocupado no governo de Michel Temer (MDB). “Atravessamos, sim, muitos momentos difíceis, isto é inegável. Mas são dos percalços, dos altos e baixos da longa trajetória da vida pública. Iremos superar todos”, diz trecho do documento.

Bruno Araújo também afirma que o Brasil “clama por democracia”. Ele cita nomes da legenda como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Mario Covas e André Franco Montoro como “gigantes que nos antecederam” e defende que é preciso “olhar para frente e nos espelhar neles”. “Meu orgulho é ainda maior quando sabemos que a liderança do partido será entregue a novas e promissoras lideranças”, completa, citando Eduardo Leite. “Boa sorte, Eduardo! Que Deus o ilumine”.

Araújo também cita Raquel Lyra e Eduardo Riedel, governadores de Pernambuco e Mato Grosso do Sul, respectivamente, como exemplos de lideranças com “longo futuro da vida política” e alerta que, “em um país que flertou com extremos”, o partido tem o desafio de ser oposição sem ser confundida com desprezo à democracia. “É hora de, mais uma vez, arregaçar as mangas. E, como sempre, contem comigo”, finaliza.

Portal Guaíra com informações da Jovem Pan