A propriedade do policial militar aposentado, Arnaldo Alves Ferreira, de 68, morto na sexta-feira (12), após confronto com indígenas em sua propriedade, no município de Douradina, já estava demarcada como reserva indígena, segundo o coordenador regional da Funai (Fundação Nacional do Índio) de Dourados, Vander Aparecido Nishijima.

Ele afirmou que o proprietário havia entrado com um pedido judicial para anular a decisão, mas os estudos já haviam sido feitos pela Funai e o local já era para ser uma reserva indígena.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

A propriedade rural fica próximo ao distrito de Lagoa Rica em Douradina e o fazendeiro já tinha problemas com os indígenas desde 2010, segundo o delegado titular da Polícia Civil do mesmo município, Marcelo Batistela Damasceno.

assassinato

Relembre o caso

De acordo com as informações policiais, a vítima vinha tendo problemas com o sumiço de gados em sua propriedade rural e teria instalado cercas elétricas em todo o território. Tempos depois, o ex-policial começou a enfrentar problemas com indígenas das proximidades.

Ainda segundo relato policial inicial, os moradores da região começaram a cortar as cercas, o que causou desentendimento entre as partes. No início da semana passada, os índios registraram um boletim de ocorrência contra Arnaldo, alegando problemas.

Chamado para depor na delegacia de Douradina na tarde da sexta-feira (12), a vítima teria se encontrado com os suspeitos e começado outra discussão, que resultou no confronto.

A Polícia Civil disse que deve encerrar o inquérito sobre o crime na próxima segunda-feira (22).

Fonte: Eduarda Rosa/Dourados News